-->



Avião argentino


Ontem recebi um comentários da Lu. Ela pede para os blogueiros divulgarem o seguinte:

agr sobre o jp, espero que td se ajeite logo, que as fabricas voltem a funcionar pq folgar desde o dia 11 e sem receber nada das empreiteiras eh complicado!!!!!!!
entao blogueiros, ajudem a divulgar a noticia, mtos trabalhadores de aichi-kem estao sem trabalhar desde o terremoto e varias fabricas que produzem peças p Toyota pararam e seus funcionarios estao sem receber desde o dia 11/03, se ja nao bastasse a insegurança causada pelo destino/fatalidade ainda temos a preocupaçao de nao termos renda alguma devido a mtas empreiteiras nao repassarem a remuneraçao aos seus funcionarios.. dificil ne. mas é a realidade.tem empreiteira mto abusada!!!

28 de março de 2011 01:10

Recebi um pouco depois o seguinte do Alexandre Mauj do blog Lost in Japan! Valeu, obrigada pela informação. Espero que essa informação os ajude a reinvidicar o que é um direito dos trabalhadores.


Elisa, avisa pra sua amiga que por lei ela tem que receber os dias parados. As fábricas pagam, se a empreiteira não repassar, eles estão roubando. pq vc sabe, as fábricas japonesas pagam, senão elas FECHAM por irregularidade administrativa. Mas tem muita empreiteira picareta q embolsa a grana.


Também vi na TV NHK que o governo japonês está auxiliando donos de empresas a pagarem os honorários de seus funcionários. Não sei os detalhes, mas é uma ajuda que poucos conhecem.


MMudando de assunto: tenho uma conhecida argentina que mora aqui em Yokohama. Me contaram que ela foi embora ontem para a Argentina num avião que o governo argentino mandou para o Japão para levar de volta grátis os argentinos que quisessem sair do país. Isso é verdade? O governo argentino mandou mesmo um avião assim? Alguém ouviu falar?


Dinossauros


Recebi um e-mail que dizia o seguinte: Acabo de receber um telefone de um japones/brasileiro que foi infectado por uma Noticia sobre o terremoto e tsunami.... tem um link que que necessita do Windows Power Expantion e se clicar aí PARA TODO O COMPUTADOR E Aí PERDE TUDO. Se trata de um vírus (perigoso).

Vamos nos prevenir.... nao abra e-mail de desconhecidos.... com o nome de Tsunami Terremoto etc...

............................................................................................

Ainda está muito frio no norte do Japão. Anda nevando por lá, o que dificulta muito a vida dos que vivem em abrigos temporários.

Minha mãe nasceu em Fukushima e foi para o Brasil com um ano de idade. Alguns dias após o terremoto ela disse: como teria sido se eu ainda estivesse em Fukushima? Essas coisas a gente nunca saberá: como seria nossa vida se vivêssemos em outro lugar? Se tivéssemos casado com outra pessoa, etc. Nunca saberemos ao certo. Mas no caso da minha mãe acho que a vida teria sido muito difícil e incerta para ela, se ela ainda estivesse em Fukushima. A cidade onde ela nasceu se chama Sukagawa e fica a cerca de 60km da Usina Nuclear que tem dado tantas preocupações. Fuku significa mais ou menos felicidade (há outra palavra em japonês para felicidade que é Koo-fúku e ainda outra que é shia-wáse) .Fuku é felicidade e shima é ilha, lá é a ilha da felicidade ou ilha feliz. Espero que um dia ela volte a ser uma ilha de felicidade.

Aqui já voltou a ter pão, arroz, ovos e pão nos supermercados. Mas há dois dias sumiu a Coca-Cola e depois Pepsi, depois Fanta. Fiquei intrigada porque apesar de gostosos não são produtos de primeira necessidade (talvez sejam para os viciados). Fui procurar na internet e descobri o motivo: a Coca-cola do Japão doou milhares de Coca-Colas para o norte do Japão. Doou outros de seus produtos tb como chás e Acquarius (uma bebida). Achei o gesto bonito e generoso. Além dos produtos doaram cerca de 20 milhões de dólares tb.


Acima coloquei a foto de um livro que eu tenho sobre dinossauros. É que hoje quero falar desses bichos tão simpáticos e feiosos.
No post passado andei reclamando da novela Morde e Assopra da Rede Globo. Hoje gostaria de declarar aqui que no interior do Estado de São Paulo existiram sim, dinossauros. Muitos deles.

9 anos atrás levei meu filho para uma viagem com tema definido: ver fósseis de dinossauro no interior de São Paulo e Minas Gerais.

A primeira parada foi em Araraquara. Lá na praça principal da cidade, há um grande jardim cercado por uma calçada coberta com pedras avermelhadas. Nessas pedras encontrei pegadas de dinossauros. Eram pegadas pequenas de cerca de 15 cm. Elas foram encontradas numa pedreira da cidade, cortadas e usadas como piso. Dizem que existem em outras partes da cidade tb, mas eu não encontrei. O dono da pedreira certamente não sabia do valor científico dessas pegadas. Dizem que muitos fósseis e outras pegadas certamente foram cortados e vendidos como pedra comum.

Na verdade as pegadas perdem o valor paleontológico quando cortadas. Para serem estudadas elas devem permanecer no lugar para ver quantos animais eram, para que direção iam. Há um lugar onde estão preservadas pegadas de dinossauro. Dois dinossauros: um adulto e um bem pequeno. Os cientistas dizem que provavelmente eram pai e filho ou mãe e filhote andando juntos lado a lado. Não é uma graça? São essas coisas que para mim tornam o assunto fascinante.

Fomos para outras cidades tb, mas vou deixar para outro dia, senão fica muito comprido.

Restaurante Mexicano El Torito

Eu me inscrevi no sos-japão. Inscrevendo-se, vc pode receber informações importantes sobre o terremoto no Japão. Além disso vc pode ajudar e receber ajuda.


.................................................

Antes de começar o post anunciado no título gostaria de escrever o seguinte. Começou a novela Morde e Assopra terça aqui no Japão transmitida pela Globo Internacional. Logo no primeiro capítulo acontece um terremoto no Japão. Logo agora que o susto estava passando! Na cena, pessoas desesperadas fugindo do terremoto. Para mim voltou aquela sensação ruim novamente. Além disso, gostaria de apontar algumas falhas: os japoneses nunca saem correndo em caso de terremoto. A orientação é encontrar um lugar seguro, por ex. embaixo de uma mesa e ficar quieto até o tremor passar. (em certos casos em primeiro lugar é importante abrir as portas e desligar o gás). Na novela uns japoneses se assustam com um fóssil de dinossauro dizendo que aquilo traz mau agouro, etc. Corrigindo: o povo japonês não é dado a essas crendices e aqui todos sabem o que é paleontologia. Sei que novela é ficção, mas tem coisas que causam mal estar em quem vê.



Já que as coisas estão se normalizando, hoje vou postar fotos de um restaurante mexicano chamado El Torito. Fomos comemorar o aniv. de duas amigas lá. Isso foi antes do terremoto. O restaurante fica no prédio da OIOI.


A entrada acima. Com salmão defumado, peixes empanados e uma saladinha de abacate com vinagrete mexicano.

Esse foi o bolo de aniversário que eu fiz para ela. Fiz os corações de pasta americana e espetei num arame de fazer flores.

A salada acima com abacates, queijo, alface, vinagrete, camarões, etc.

Não conhecia esse espeto mexicano. Estava ótimo. No espeto tem camarões e kai-bashirá (alguém sabe como se chama em português?)
Embaixo carne e frango em tirinhas. Esqueci o nome das carnes. Mas é o que colocam dentro dos tacos. Comemos com tortillas.



Terremoto no Japão

Queridos leitores, amigos, parentes, eu estou bem e minha família também. Não se preocupem.

Ainda acontecem tremores de terra todos os dias aqui em Yokohama. Mas são muito mais fracos do que aquele do dia 11 de março.

A situação não está nada fácil. Mas decidi tentar levar a vida normalmente. Durante alguns dias após o terremoto eu perdi a fome, me sentia insegura, não dormia direito. Mas vejo que essa situação vai se prolongar por causa das usinas atômicas, então achei melhor tentar viver normalmente na medida do possível.

Conheço 3 pessoas que estavam na Usina Nuclear de Fukushima na hora do terremoto. Segundo o relato de um deles, o chão fazia movimento de ondas. Um deles conta que o chão rachou, abriu uma rachadura entre os pés dele. Na hora de evacuar, os trabalhadores da usina embora muito assustados, saíram calmos, sem pânico. Logo depois veio o tsunami de mais de 10 metros nessa área. O que contei aqui acho que vcs não ver em nenhuma mídia. Eu mesma fiquei sabendo por acaso porque conheço essas pessoas. Sabíamos que eles estavam lá, mas durante dias não sabíamos o que tinha acontecido, se tinham saído a salvo. Mas eles estão bem e já voltaram a Tokyo.
Os supermercados continuam sem pão, leite, ovos, arroz, nattô. Tem toofu mas não tem nattô. Não entendo isso. Indo bem cedo, podemos encontrar quase tudo.

Conheço pessoas que entendem bem do assunto e segundo elas, a radiação em Yokohama e Tokyo é muito fraca. Muito mais fraca que um Raio-X. Portanto não há motivo para sair correndo de Yokohama por enquanto.

Muitas amigas se foram, mas agradeço a todos vcs que me escreveram. Fiquei comovida com as palavras dizendo: eu estou aqui, mesmo que longe e somente online. Conte com nossa amizade.
São gestos que estão sendo muito importantes para mim hoje.


Terremoto no Japão

Quero agradecer todos os comentários, mensagens e e-mails.
Obrigada também pelas orações e palavras de amizade e solidariedade.
Sua amizade tem sido muito importante para mim nesses dias difíceis.
Fiquei comovida, surpresa, reconfortada e muito agradecida com suas mensagens.

Nos supermercados na região onde moro, Honmoku Yokohama, já não achamos pão, leite, arroz. Verduras e frutas ainda existem.
Uma dica é ir cedo, logo que abre o supermercado. Durante uma hora ou duas é possível encontrar de tudo ou quase tudo. Mas geralmente só permitem que cada pessoa pegue um item de cada produto.

Aqui onde moro não há apagão. Só eu reparei ou é impressão? O apagão atinge mais as regiões mais pobres da região de Kanto? A área dentro do Yamanote line nunca fez parte da lista dos grupos de racionamento de energia elétrica.

Ontem havia uma fila enorme de carros no posto de gasolina perto de casa. Hoje não havia nenhum . Esperançosa de que tudo tinha voltado ao normal, quando me aproximei, vi uma placa dizendo que a gasolina acabou e não sabem quando terão novamente.

Muitas amigas minhas brasileiras e estrangeiras (não-dekasseguis) já saíram do Japão. Uma foi para os EUA. Algumas voltaram ao Brasil. Uma está na Coreia, outra está em Kuala Lumpur na Malásia mas vai a Paris. Fico admirada com a mobilidade dessas pessoas. Os maridos trabalham em multinacionais e as empresas retiraram famílias de funcionários do Japão. Eis uma vantagem das multinacionais: pode-se trabalhar em qualquer lugar do mundo.
Já aconteceu com vc de quase todas as suas amigas irem embora para longe de repente? Para mim ficou uma sensação de abandono muito grande. Agora sei como se sente um cão abandonado.

A gente costuma reclamar do Brasil. Mas no Brasil onde nasci e morei: São Paulo, nunca aconteceu uma coisa dessas todas juntas de uma só vez: falta de comida, terremoto, falta de gasolina, apagão periódico, amigas indo embora, telefones e celulares que não funcionam, falta de trens, perigo nuclear, vôos cancelados, tudo de uma vez. Tudo de uma vez só. Logo aqui que sempre foi um país organizado onde tudo funcionava com perfeição. Onde está o Japão de uma semana atrás? Quero aquele país de volta!!

Ainda assim, a situação em Yokohama é muito melhor que em Fukushima, Sendai e norte do país. Não posso reclamar muito.

Hoje o céu de Yokohama estava amarelado. Alguém reparou? Sabe porque estava assim?

O povo japonês sempre foi bom em reconstrução. Espero que as pessoas tenham aquela força de vontade do pós-guerra e que em breve ou daqui a alguns anos, o Japão esteja ainda melhor. Alguém duvida?






Terremoto

Queridos leitores, amigos dos blogs e todos que me conhecem,
Obrigada pelas mensagens, telefonemas.
Quero informar que aqui estamos todos bem.

Embora a gente se acostume com terremotos que são frequentes no Japão, nunca tinha vivido um terremoto tão forte. Ontem pensei que talvez fosse morrer. O prédio da prefeitura onde eu estava parecia maria-mole, todo mole. As paredes pareciam moles. Pensei que terremoto tivesse um movimento mais quadrado e anguloso. E o tremor parecia não acabar nunca.

Os trens pararam, tive que andar de volta para casa. Nas ruas, centenas de pessoas também caminhando calmas e ordeiras. Enquanto andava pensei em muitas coisas. O quanto era óbvio o trem chegar na plataforma todos os dias, a cada 5 minutos sem falta. Fiquei pensando o que é realmente importante na vida. Geralmente nunca paramos para pensar na vida em si. Eu particularmente me perco nos detalhes e fico dando importância para picuinhas. Caminhei e pensei mas só até o corpo começar a ficar realmente cansado.
Depois de andar 2 horas encontrei um táxi.

Meu filho estava na escola quando aconteceu o terremoto. Todos os alunos foram reunidos no pátio e os professores os acompanharam para casa a pé. As crianças que crescem no Japão parecem achar que os terremotos são coisas normais, nem se assustam muito. Nunca entram em pânico. Pânico jamais, é o que ensinam nas escolas. É preciso ter calma nessas horas. Eu que cresci no Brasil é que fico desesperada. Eles têm preocupações mais práticas como comida e água.

O Marido trabalha em Tokyo, voltou de bicicleta. Levou mais de 3 horas para chegar em casa.

Os telefones não funcionavam. Estavam congestionados. Todos tentando ligar para todos. Quando a gente mais precisa os celulares pifam!

Foi a primeira vez que fiquei sem luz no Japão. Voltarei a ter o hábito de ter vela e fósforo ou isqueiro a mão como minha mãe faz em São Paulo.

Só para avisar que estamos todos bem.

beijos.


Obento comprado


Hoje eu quero mostrar alguns obentos comprados. Obentos são refeições típicas do Japão.


Acima, este obento se chama Obento de várias partes do Japão. Em cada quadradinho ficam comidas típicas de 12 cidades do Japão.


Este acima se chama Hanami bento. Que significa obento para ver flores ou flores de cerejeira. Ainda não é época dessas flores, mas a comida chegou antes das flores.


Este acima se chama Sino de prata. Vinha com um sininho prateado que infelizmente não saiu na foto. Essas bolinhas são todas sushi. Sushi de salmão, camarão, peixe, etc.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

  © Layout Elisa no Blog por Fabiano Mayrink Blog designer.