Pular para o conteúdo principal

Shibuya, o bairro das variedades



Vejo que muita gente já veio algum dia, passa sempre, vem de vez em quando, mas todos (quem já conhece) tem alguma recordação boa do bairro de Shibuya em Tokyo. Por isso resolvi postar mais algumas fotos de lá.






O cruzamento na frente da estação fica assim, cheio de gente.



Quando o farol quase fecha, vai diminuindo gente.

Agora é vez dos carros.

Tem um lugar novo em Shibuya que se chama Mark City. Gostei porque é um corredor, a gente anda do Dogenzaka e sai já dentro da estação de Shibuya. (nem sei se é novo, mas para mim é novidade)
No corredor havia essa padaria francesa chamada Jean François. Tinha pães lindos, não resisti e entrei. Pedi um chá gelado e um brioche, aquele pão da Maria Antonieta. Esse estava fofinho por dentro. Muito gostoso. Jean François parece que é um padeiro famoso na França.


Você escolhe os pães, pode levar para casa ou comer aqui mesmo, tem cadeirinhas e mesas redondas pequenas como nos cafés de Paris.

A loja HM de roupas. Olhem mais gente com sombrinha, essa parece meio quebrada. No post anterior recebi comentários dizendo que seria uma boa ideia usar sombrinha no calor do Brasil, concordo. Um dos comentários dizia que existe esse costume no Nordeste do Brasil. Mas o nordeste é grande, onde seria exatamente?

Só para chocar mais, o cardápio do Kujira-ya, restaurante que serve carne de baleia. Fiquei pasma com a variedade de pratos. Não li por isso não sei dizer se são todos de baleia.

Fui tirar visto para um certo país que exige visto dos brasileiros. A embaixada fica a 20 minutos da estação de Shibuya. Saindo do burburinho das ruas lotadas, surge um bairro muito tranquilo. Caminhando, vi esse cachorrinho com cara na moita. (aliás esse assunto é recorrente, rsrs)

Olhando melhor era um enfeite de cachorrinho. Uma graça. Alegra a vida dos que passam por ali.

O famoso 109. Ali dentro tem várias lojas de moda jovem. Entrei lá. As compradoras e vendedoras eram muito bonitinhas, parecem bonequinhas com roupas coloridas.

Mudando de assunto, vou colocar hoje uma dica simples que não renderia um post mas queria passar apesar de não ter nada com o post sobre Shibuya.

No Japão, cuidado com o envelope. Existe envelope para celebrações e envelope para os mortos.
Fica um pouco triste errar o envelope. Na dúvida pergunte para alguém.




Comentários

BilaCaldas disse…
Vou te dizer, aprendo muito visitando o seu blog, coisas do dia a dia que somente quem vive pode passar para nós... esse cruzamento que dá tudo certo é uma maravilha, ter uma padaria francesa para variar a dieta deve ser uma delícia e esse enfeite de cachorrinho, muito fofo e com humor e gentil, pois surpreende quem passa. Bjo
Meri Pellens disse…
Aqui na minha cidade em Santa Catarina, faz muito calor no verão, mesmo sendo sul do Brasil. Várias pessoas usam sombrinhas para andar debaixo do sol, inclusive meu esposo. É questão de saúde.
Beijos na alma, querida!
Telma Maciel disse…
Que delícia de passeio!!! Pois então, sobre as sombrinhas, acho q o povo brasileiro é meio jacu... tem vergonha de aparecer em pleno sol com guarda CHUVA! Eu pq sempre esqueço da porquera da sombrinha (rs) até msm em época de chuva... mas já usei, qndo o sol tava mto quente, sim!
Adorei o enfeite do cachorrinho! Quase não consegui entender, mas com a foto mais próxima deu. Divertido!
Um beijo!
andreia inoue disse…
ola elisa.
fui esses dias la em shibuya e tambem estou fazendo uns post's a respeito.
é impossivel passar pelo hachiko e nao tirar uma foto ne?
e sobre usar sombrinha no nordeste,eu usava la em pernambuco pq o sol era de rachar,so que nao era uma pratica muito comum,minha mae disse q hj as pessoas estao usando bem mais que antigamente.
um beijaooo.
Mostra o envelope pra gente!
Fiquei com medo de errar rs
bjs
Desabafando disse…
Que delícia o passeio...rsrsrs...fui passear junto lendo seu post! Amei o enfeito do cachorro..rsrsrs..e como é isso do envelope?
Georgia disse…
Oi Elisa, como é bom olhar essas fotos, adorei!!

Bjus!
Explica a parada do envelope onegai ;)
mar e ilha disse…
Que gracinha o cachorrinho. Parecia de verdade.
rs.
Jana disse…
è tão bom viajar sem sair do lugar né....rsrsrsr
AMEI o enfeite do cachorro......
Beijos
lolipop disse…
Vou confessar a vc uma coisa Elisa, em todo o seu post, houve um pormenorzinho que me deixou cheiiiiaaa de curiosidade...esse visto para país desconhecido...rs Sei que falta pouco para viajar..
BEIJOSSSSS
Telma Maciel disse…
Ei, Elisa! Eu AMO essa sombrinha! Infelizmente ela não é minha... é de uma amiga que emprestou pra tirar essa foto, mas juro q se eu achasse uma dessa (mas menor, q desse pra carregar na bolsa), ela estaria SEMPRE por perto!!! E eu teria o maior prazer em andar com ela em dias de sol ou de chuva!
Um beijo!
Felipe Nasca disse…
Sobre o costume de usar sombrinha no nordeste, minha mãe é de Pernambuco (e eu já viajei para lá também) e nunca soube desse costume por lá.
Fabiano Mayrink disse…
engraçado o "cachorrinho" rs, que padaria, da ate gosto! Deve ter mesmo coisas deliciosas
Georgia disse…
Não sei se tenho coragem de experimentar a pepsi azuki...

Agora entendi as paradas dos envelopes ;)
shitsumei ni arigatou!

Obs.: nem lembro se shitsumei é explicacao mesmo, tanto tempo sem aula de nihongo...
Se estiver errado gomen ne ;)

Boa quinta pra vc, kissu!!
Elisa.
Fiquei com muita saudade daí. Passava ai praticamente todo dia para ir trabalhar em uma cia. telefônica que nem existe mais rs.

É o cartão postal mais famoso do Japão, né (fora o Fuji).

Pela foto eu jurava que era um cachorrinho mesmo.

Sou contra pichacão, mas para este restaurante dá vontade de escrever "assassinos" na parede. Q coisa medonha.

que delícia, sua viagem vai ser um show! vc vai adorar!
bjs e bons preparativos ai pra viajar.
Mônica disse…
Elisa
Tudo o que voce mostra é novidade para mim. Assim ´´e como se fosse caminhando com voce pelas ruas de sua cidade.
Este cachorrinho de louça eu amei!
Até amanha com carinho Monica
Karina Mih disse…
Ola Elisaa!
Adorei as fotos!
achei tb uma graça o cachorrinho no mato hauaahu ...
Elisa, obrigada pela dica! se eu encontrar de novo no mercado, vou comprar e fazer sim!!
bjuxxx
Bah disse…
ahahaha tinha uma colega quando cheguei no Japão que olhou um envelope preto e achou lindo pra dar de presente pra sua amiga gótica no Brasil. Claro, a amiga adorou, porém já sabe qdo ela ficou sabendo sobre o que se tratava né? rs

Kisu!
Elisa no blog disse…
kkkkk comprou envelope preto para a amiga gótica! É por isso mesmo que estou avisando, dar envelope preto para os vivos é como desejar a morte dele.

Também pensei que o cachorrinho era de verdade à primeira vista.
Elisa no blog disse…
Explicando melhor sobre o envelope:
o mais colorido é para casamento.
Aquele preto, branco é para enterro. Muitas vezes esse também vem com enfeites prateados.
Oi Elisa, muito obrigada!
MAs que estranho, esses envelopes vendem no mercado né?
Acho que já vi perto do caixa...
bjs
Anônimo disse…
Oi Elisa
Antigamente tambem existiam no Rio envelopes especiais para cada ocasião. Com tarjas pretas eram sempre fúnebres. Cairam no esquecimento como várias outras coisas do passado. Aliás ate cartas não se enviam mais. So cobranças é a unica coisa que o carteiro traz. Uma pena ! Era tão bom receber cartas ! Bjs Lenora.
Angela disse…
Elisa,
Suas postagens são ótimas, interessantes demais.
Obrigada pela visita e comentário; tbm não esqueço vc e passo por aqui sempre, não deixo comentários por falta de tempo.
Abraço
Mônica disse…
Há Elisa Vou tomar cuidado! Agora que sei que preto é luto. Como antiagmente as cartas tinham um lacre preto para quem estava viouva.
com carinho MOnica
Elisa no blog disse…
Não sabia que existiam envelopes com tarjas pretas no Brasil. Que interessante, acho que não cheguei a ver.

Sim, vendem envelopes fúnebres e para casamento em papelarias, combinis .

O enfeite do cachorrinho é uma coisa bobinha, mas é tão gracinha que resolvi colocar. Achei que vocês iam gostar. São essas coisas simples que alegram nosso dia.
Cecília disse…
Elisa, a sombrinha é mais usada no sertao nordestino já que o calor é mesmo de matar um! Eu mesma sou de Natal e lá podemos ver, raro, mas acontece, pessoas que vao à rua "armados" com as sombrinhas. Geralmente pessoas mais humildes, ricos? Jamais!!!
Denise disse…
Uau, que passeio maravilhoso!
Maldade sua colocar um centro de compras como H&M, 109... parece o filme "Delírios de consumo de Beck Bloom"!
Bjs

Postagens mais visitadas deste blog

7. Guêr ou ger, tenda-vivenda da Mongolia

Hoje vou mostrar como se monta uma tenda ou casa mongol. Ela se chama ger (guêr). Construir o ger fazia parte desta nossa viagem.
Na época que eu fui a temperatura estava entre 10 a 15 graus de manhã e a noite. Durante o dia estava entre 20 e 25 graus. Foi agradável e deu para fugir um pouco desse calor infernal que está fazendo no Japão esse ano.
Primeiro coloca-se a porta e estrutura da parede.
Em seguinda monta-se o pilar central dentro do ger. Colocam a base do teto. Olhem que gracinha esse menino no centro da foto.
Não sei se esse garotinho queria ajudar ou brincar, mas lá estava ele escalando a grade.
O esqueleto do ger é coberto com pano e cobertor de lã de camelo.
Cobrem o teto e paredes com tecidos grossos para proteger do frio. O menino ainda está lá.







Cobrem com o tecido branco característico de todos os gers. Meu filho quando pequeno também era assim, queria ajudar em tudo. Aliás, ele ajudou muito para fazer esse ger. E gostou da experiência.
Fiquei refletindo. Nós das cidades quando const…

8. Mongolia: roupas e comida

Hoje vou falar da roupa e comida da Mongólia.
Eu sei que Mongólia tem acento. Mas no título não coloquei de propósito porque assim, podem fazer um hit em inglês e pelo menos poderão ver as fotos. Já com acento acho que não aparecerá nas buscas em inglês.
A roupa que as mulheres estão usando se chama dêr. É longo, quentinho, protege bem do frio.
Com essa roupa as mulheres podem se afastam um pouco do ger (tendas) e vão fazer xixi. Elas se agacham e o dêr cobre tudo. Muito prático. Dá até para andar a cavalo.

A roupa típica dos nômades para homens também se chama dêr. O Dêr dos homens não é estampado como das mulheres. Esses dois homens, o do centro e do lado esquerdo usam dêr cinza com faixas coloridas. O homem da foto abaixo usa dêr azul. Na cabeça usam boné ou chapéu tipo ocidental. Eu acho que chapéu e bonê não combinam com o dêr. Mas o chapéu típico é assim: Imagine a metade de um coco. Em cima do coco, bem no meio fica um chifre comprido com uma bolinha na ponta. É meio esquisito, acho que por i…

Verduras no vapor

Ultimamente tenho usado essa cuscuzeira para cozinhar verduras e legumes. No vapor. Sempre achei que demorava muito para fazer batatas cozidas. Leva todo o tempo de esquentar a água. No vapor vai muito mais rápido. Depois da batata, experimentei cozinhar abóbora como na foto. Deu certo com vagem, espinafre (horensô), batata doce, quiabo, aspargos, etc.
É mais rápido, ecológico e as verduras ficam mais gostosas. Acho que perdem menos nutrientes porque eles não vão embora junto com a água do cozimento. Adoro soluções assim, boas em muitos sentidos.
Comprei essa cuscuzeira em São Paulo. Vc pode encontrar em casas do norte, que são lojas de produtos do nordeste. Lá no nordeste essa panela é muito usada para fazer cuscuz.
No começo eu só usava para fazer cuscuz. Hoje uso também para cozinhar verduras no vapor.