Pular para o conteúdo principal

5. Chegada ao acampamento


Relato de viagem.
No segundo dia de viagem, depois de 3 horas chegamos ao meio do nada na casa da família que nos acolheu. Não sei como o motorista achou. Mas ele disse que é fácil e sabe para onde está indo.
Essas tendas se chamam ger (guêr).






Logo que chegamos fomos recebidos com um almoço com um dos pratos típicos da Mongólia que é o Boozu. É um tipo de gyoza ou nikuman feito de farinha e recheado com carne de carneiro.

Eu sei que muitos reparam na panela. Mas lá tudo é muito simples e usam os mesmos utensílios durante anos. Possuem muito pouca coisa.

Comemos essa canja de arroz e carneiro também. Cabra e carneiro é a carne que eles comem na Mongólia.

Tudo vem acompanhado de um chá chamado su-te-tsai.
Ingredientes do Sutetsai:
água quente, chá preto, manteiga e sal.

Dizem que faz bem, ajuda na digestão, mas detestei esse chá. Quem acompanha esse blog sabe que como de tudo, mas chá salgado e gorduroso não dá. Pelo menos para mim.

Aliás, a Mongólia em termos de culinária é uma provação até para pessoas que achavam que comiam de tudo como eu. Como tudo tem seu lado positivo, consegui emagrecer 1 quilo e meio nessa viagem. Ebaaa!



Essa senhora é a dona da casa. Está preparando o boozu no centro do ger.


Respondendo algumas dúvidas:
Estepe é o tipo de vegetação predominante na Mongólia (não é o relevo).

Realmente não existem árvores. Vendo bem, a grama de perto não é contínua, tem muitas pedrinhas entre a grama. Olhando bem há muitas flores pequenas também.

A língua que se fala na Mongólia é a língua mongol. Na escrita usa-se o alfabeto cirílico ou russo. Igual da Rússia, Ucrânia, Uzbequistão. Existe também a escrita tradicional mongol.


Comentários

NinaLu disse…
Oi, Elisa!
Nossa, que experiencia, ne?Ficar na casa de uma familia de la!
Que bom que voce come de tudo, pois eu concerteza passaria fome, pois nao gosto de carne de carneiro!Ja provei aqui no Japao e nao gostei nao!
Ja carne de javali que so tem uma epoca que se pode comer eu gostei e de veado tambem.
Amigos do meu marido que tem parentes que moram nas montanhas e que enviaram.
Aproposito, essa canja de arroz parecia estar otima!rs
Quanto ao cha su-te-tsai eu preferia so o cha preto sem nenhum tempero tambem!rsss....
Parabens por ter perdido uns quilinhos!!!
Acho que eu perderia muitos indo pra Mongolia, pois so poderia comer canja de arroz!kkk...
Ah, adorei o estilo da roupa da senhora dona da casa!Adoro saber sobre as roupas que outros povos costumam usar, etc...
Linda noite!
Abracos!
Desabafando disse…
Meu Deus..rsrsrs...acho que não sirvo para uma viagem assim não. Apesar de achar tudo lindo e incrível, eu passaria fome..rsrsrs....mas confesso que to mega curiosa pra saber como era o local que vcs dormiram e mais detalhes sobre a hospedagem nesse lugar, porque deve ser bem diferente não? Conta mais? rsrsrs...
Angela disse…
Elisa,
Parabéns pelo seu desprendimento e coragem. Creio que isso torna vc uma pessoa melhor ainda a cada viagem. Amiga, vc sabe viver.
Bjs
Lisa Nunes disse…
Elisa querida
Saudades de ti!

Que experiência incrível deve ter sido a sua viagem para Mangólia, é mesmo uma grande aventura!

Mas esse chá com manteiga eu tbém não iria gostar não.. eca!! Aliás,gosto de chá puro mesmo!

Um grande abraço para ti,
É sempre muito bom vir te visitar
Boa semana querida!
bjs
pequena disse…
Que experiência tudo amiga, saudade de vc demais rs

To passando pra deixar bjocas grandes e desejar um bom domingo rs

bjo amiga
Mônica disse…
Elisa
Eu também não daria conta de comer. Até comeria mas só para ver como é.E pouquinho!
Em Belem comi tartaruga sem saber. Quando fiquei sabendo fiquei com uma dosinha de ter comido pois tinha acabado de ver uma.
Mas a sua viagem daria um libro bem gostoso de ler.
Eu compraria.
com carinho Monica
Felipe Nasca disse…
Olha a minha curiosidade por esquisitices gastrnômicas se manifestando! Só de ler a descrição do chá me deu a maior vontade XD!

Esse "boozu" aí tá com uma cara boa, hein! Já a canja não me apeteceu muito não, heheheh!

A senhora dessa foto lembra aquelas cenas de filmes chineses que a Band vivia passando, rsrsrs.

Estou adorando ler tudo e ver as fotos da Mongólia aqui!

Abraço!
Fernanda Reali disse…
Creeedo, Elisa, que coragem!!!!

Quero saber do banho, da água, da higiene. Conta pra gente.

Eu achei um lugar horroroso, entre o nada e o lugar nenhum, hahaha.

Tomara que teu filho tenha gostado. Ele não morreu de tédio?

Beijosss
mar e ilha disse…
Elisa, eu não sou chata para comer, mas não como de tudo. Não gosto de peixe, não gosto muito de frutas,miúdos, carne de fígado, etc. Tenho certeza que não iria gostar dessa sopa. Alías, sopa não é o meu prato predileto.Mas ai na Mongolia a cara da sopa estava boa.Vcs não tinham como levar nada na mochila? Um biscoito ou qq coisa do genero. Teve uma ocasião que fui acampar e levei umas coisinhas na bolsa o que me salvou, pque a comida era horrível. Tb fiquei curiosa em relação ao banheiro. Como faziam?
Esse boozu eu comi em um restaurante da mongólia aqui. Acho que deve ser diferente do que fazem ai (aqui é tdo adaptado pro paladar local ne) mas achei muito gostoso!
e a canja tb comi. parecia canja de hospital...

o chá também serve para aguentar as temporadas de frio, não é? Por causa da gordura... mas é ruim mesmo. Parece que a gente tá tomando caldo de panela suja rs.
Eu tb como de tudo mas o chá experimentei e não tomaria de novo não. Preferia a manteiga no pãozinho mesmo rs.

pq vc não falou pra tal senhora: desmonta a tenda e monta lá na frente, que tem uma churrascaria da hora rs.

a roupa da sra é bem bonita ne.
bjs
Elisa no blog disse…
Falando sobre o chá, o pior é que ele aparecia em todas as refeições, não há como escapar. Caldo de panela suja, kkk, mas é isso mesmo!
Denise disse…
Oi Elisa!

Acho que eu também iria emagrecer viu... o chá nem se fala, acho que não conseguiria me acostumar! Só fui com a cara do boozu! A carne de carneiro e cabra conseguiu comer numa boa?

Bjinhos!
Fernanda Reali disse…
oi, Elisa! Postei fotos da minha rua, vem ver...

http://fernandareali.blogspot.com/2010/08/minha-rua.html
Eliene Vila Nova disse…
Olá
mulher eu viajo aqui com você, tento me imaginar nesses lugares,experiencias incríveis.
obrigada por compartilhar tudo conosco,você é o máximo.
adorei sua visita e feliz por teres gostado do novo layut,quem fez foi a Nana do http://www.mangacompimenta.com/,ela me deu de presente,mas também faz profissionalmente caso fiques interessada e é super barato.
eu recomendo.
uma semana abençoada
beijos
Tabeteimasu disse…
Acho que eu iria emagrecer tb. A carne de carneiro é um pouco forte, não é?

E esse chá com manteiga e sal então...acho que daria dor de barriga na hora em mim...rs...

Bjo,
Carlos
Elisa no blog disse…
Carlos,
Isso é só o começo. O chá sutetsai não dá dor de barriga. Tem uma bebida que dá diarreia em todos que tomam pela primeira vez. Pretendo falar dessa bebida em outro post.
Bah disse…
Cada coisa interessantísima... tudo bem que eu cheguei tarde e estou postando em ordem decrescente... adorei as fotos e os detalhes... vc gostou da carne de cabra?

Kisu!

Postagens mais visitadas deste blog

7. Guêr ou ger, tenda-vivenda da Mongolia

Hoje vou mostrar como se monta uma tenda ou casa mongol. Ela se chama ger (guêr). Construir o ger fazia parte desta nossa viagem.
Na época que eu fui a temperatura estava entre 10 a 15 graus de manhã e a noite. Durante o dia estava entre 20 e 25 graus. Foi agradável e deu para fugir um pouco desse calor infernal que está fazendo no Japão esse ano.
Primeiro coloca-se a porta e estrutura da parede.
Em seguinda monta-se o pilar central dentro do ger. Colocam a base do teto. Olhem que gracinha esse menino no centro da foto.
Não sei se esse garotinho queria ajudar ou brincar, mas lá estava ele escalando a grade.
O esqueleto do ger é coberto com pano e cobertor de lã de camelo.
Cobrem o teto e paredes com tecidos grossos para proteger do frio. O menino ainda está lá.







Cobrem com o tecido branco característico de todos os gers. Meu filho quando pequeno também era assim, queria ajudar em tudo. Aliás, ele ajudou muito para fazer esse ger. E gostou da experiência.
Fiquei refletindo. Nós das cidades quando const…

8. Mongolia: roupas e comida

Hoje vou falar da roupa e comida da Mongólia.
Eu sei que Mongólia tem acento. Mas no título não coloquei de propósito porque assim, podem fazer um hit em inglês e pelo menos poderão ver as fotos. Já com acento acho que não aparecerá nas buscas em inglês.
A roupa que as mulheres estão usando se chama dêr. É longo, quentinho, protege bem do frio.
Com essa roupa as mulheres podem se afastam um pouco do ger (tendas) e vão fazer xixi. Elas se agacham e o dêr cobre tudo. Muito prático. Dá até para andar a cavalo.

A roupa típica dos nômades para homens também se chama dêr. O Dêr dos homens não é estampado como das mulheres. Esses dois homens, o do centro e do lado esquerdo usam dêr cinza com faixas coloridas. O homem da foto abaixo usa dêr azul. Na cabeça usam boné ou chapéu tipo ocidental. Eu acho que chapéu e bonê não combinam com o dêr. Mas o chapéu típico é assim: Imagine a metade de um coco. Em cima do coco, bem no meio fica um chifre comprido com uma bolinha na ponta. É meio esquisito, acho que por i…

Verduras no vapor

Ultimamente tenho usado essa cuscuzeira para cozinhar verduras e legumes. No vapor. Sempre achei que demorava muito para fazer batatas cozidas. Leva todo o tempo de esquentar a água. No vapor vai muito mais rápido. Depois da batata, experimentei cozinhar abóbora como na foto. Deu certo com vagem, espinafre (horensô), batata doce, quiabo, aspargos, etc.
É mais rápido, ecológico e as verduras ficam mais gostosas. Acho que perdem menos nutrientes porque eles não vão embora junto com a água do cozimento. Adoro soluções assim, boas em muitos sentidos.
Comprei essa cuscuzeira em São Paulo. Vc pode encontrar em casas do norte, que são lojas de produtos do nordeste. Lá no nordeste essa panela é muito usada para fazer cuscuz.
No começo eu só usava para fazer cuscuz. Hoje uso também para cozinhar verduras no vapor.