Pular para o conteúdo principal

Tranformar a mente


Muito obrigada pela visita hoje.
Obrigada para vc que está em Hamamatsu, Nagoya, Hiroshima, Kawasaki.
Tem alguém que sempre me lê e está em Tonami, Niigata. Quem será você? Fico curiosa.

Estou lendo esse livro:
"Train your Mind Change your Brain" em inglês da autora Sharon Begley.
O livro fala que é possível mudar a estrutura e funcionamento do cérebro.
Existem vários exemplos no livro de como isso acontece.


Dizia o seguinte para pessoas com depressão:
Quando algo deu errado, não pensar que vc é um fracasso. Encarar como apenas UMA coisa que não deu certo. Parar de ruminar sobre pequenos fracassos. Essas coisas acontecem.
Em maior ou menor grau, mesmo sem depressão acho que todos somos assim. Achei esse pensamento um ótimo alerta para parar de generalizar e dramatizar demais as coisas. Se algo deu errado, bola pra frente. Vc já se sentiu assim?

Li hoje o post da Aninha Leme e gostaria de dizer que nem todo mundo é daquele jeito. Há muita gente generosa e que nunca negaria uma carona. Não generalize, vc é muito fofa e querida.

Está tarde e frio. Não costumo escrever tão tarde, mas hoje sinto que alguém, não sei quem está precisando dessas palavras. Espero estar ajudando.




Comentários

Carolina Arêas disse…
Nossa, adorei este livro!

Quando acabar de ler, me dá um "parecer"?

Beijos.
J.R disse…
Sumiu... Sinto falta dos seus comentários...


A nossa cabeçaaa... Quem consegue dominar né?


só uma mente muito sã pra conseguir ter algum controle... Somos todos descontrolados mesmo..rs..isso é Fato.
Teórico disse…
Parece interessante esse livro!

beijos
Liciane disse…
Parece muuuito interessante esse livro.
É verdade amiga, quando as coisas dão errado nos sentimos um fracasso.
Mas não dá pra ficar pensando no que deu errado né, não adianta nada, só piora, fica mais difícil de se conformar.

Beijos amiga, tenha um lindo dia!!! :)
aprendizdemim disse…
Eu já li muitos livros de auto-ajuda, sabe, muitos me ajudaram desta questão. Mesmo que não tenhamos uma depressão grave, mas uma vez ou outra nos deprimimos, e esses livros tem conselhos q nunca esquecemos e nos ajudam a não afundar. Claro, não são milagrosos, e vários nem confiáveis, mas alguns são muito bons.
Bjo na alma, querida!
Reyel.
Maria Lúcia disse…
Oi
Tem selinho
Esse blog é vip
no meu blog
pra você.
Beijos...
Lúcia.
www.blogdalucia.com
Liliane Jp disse…
Ola,Elisa,sou daqui de Toyama,bem pertinho de Tonami..rs
Desde que descobri seu blog,o leio todos os dias! Gosto muito das coisas que vc escreve!! Parabens!! Ja deixei um comentario antes,porem como anonimo..rs, agora estou me identificando! Muito prazer! hehe
bjnn
mar e ilha disse…
Elisa, engraçado que ontem quando entrei no metro lotado falei como todos os dias anteriores: que m... isso agora só anda lotado e fiquei reclamando. Ai, de repente me veio um click. O que adianta eu ficar zangada se todos os dias é o mesmo jeito e é só eu voltar uma estação, perder 10 minutos do meu tempo que consigo até ir sentada. Vi a besteira que estava fazendo.. Dramatizando demais...
Interessante o livro gostaria de ler mas tem que ter tradução para o portugues. Será que tem?
Respondi para vc no meu post
Desabafando disse…
Fiquei curiosa com o livro...parece interessante e eu acredito que temos um grande poder mental através dos nossos pensamentos.

Amiga, obrigada pelo seu comentário...eu estou dando uma esfriada com relação a menina folgada...pra ver se ela se toca de que está sendo inconveniente...mas vc acha que gente assim se incomoda com isso? É bem como vc disse....eles sempre tem desculpa pra tudo mas eu não consigo achar normal por ser justamente algo que eu nunca seria capaz de fazer sabe? Mas enfim...uma hora tudo melhora.
Sou meia avessa a livros desse gênero, não sei se porque estudo psico e axo que td isso é generalizar e facilitar o q na verdade é uma busca pra vida td...

Porém me lembro antes mesmo da facul de não gostar hehehe....


Ótima Quartaaa!!

Miquilis
Bru
Gostei da indicação.
Ainda mais que tem o prefácio do Daniel Goleman, gosto dos livros dele.
Vou procurar para ler, nem que seja via ebook.
Bjos e boa noite.
Angela disse…
Elisa,
Além de tudo agora tbm é sensitiva? rsrsrs. Essa é boa, sentiu que alguém estava precisando. Sempre terá alguém precisando de pessoas carinhosas e inteligentes como vc. Acertou, nós tds precisamos sempre de ânimo, coragem,fé e amigos. Pode ter certeza de que para alguém esse livro que vc citou será de grande valia.
Parabéns por estar sempre alerta a tudo e a tds.
Bjs
Andrea disse…
Elisa ,esse livro parece interessante.
Eu sempre acho que nós somos o que pensamos ,se temos pensamentos só negativos ,só coisas negativas acontece.Procuro ser positiva ,tirar proveito das coisas ruins ,não é facil mas tento apesar de muitas vezes ficar um pouco pra baixo com algumas situações .


Mônica esta triste porque nossa net deu problemas ,precisei agendar uma visita do tecnico que ainda não foi ,por isso ela não esta escrevendo ..


beijos pra vc
Bah disse…
Ahhh adorei o tema do livro. Vou ver se eu consigo colocar as coisas em dia aqui pq estou na correria para entregar o trabalho de fim de bimestre, e colocar a minha mente pra vagar nos livros que eu tenho aqui acumulado rs... Sobre depressão sei bem como é isso. Minha tia ficou depressiva uma época e foi difícil, com isso, criou o síndrome do pânico, que só piorou as coisas. Eu fiquei meio com sindrome do pânico quando voltei, aos poucos estou retomando a rotina paulistana. Mas ainda tenho medo de sair e ficar até mais tarde na rua... mas isso não tem nada com depressão né? rsss

Kisu!
Carol disse…
Ah, ótimo tema do livro. :)
Também acredito que com exercícios a gente consegue mudar o jeito de pensar e encarar situações simples que fazem grande diferença mais tarde, como pequenos fracassos da vida.

Como vc disse, não deu certo? Vamos levantar e tentar de novo, que uma hora vai dar!

Beijos!
Elisa no blog disse…
CAROLINA,
depois de ler te conto. vc tem e-mail para onde eu possa escrever contando?

JR,
vou comentar sim, aguarde mais um pouco. Os orientais criaram várias formas de controlar a mente: meditação, ioga, artes em geral. Mas concordo que é difícil ser equilibrado.
Aninha Leme disse…
querida,
de fato tem muita gente generosa no mundo. tenho amigos que ninguém tem.
só que naquela época, com 17 anos, me senti a mosca do cocô do cavalo do bandido. Sacou?
e quando terminei, o cara se desfez em mil pedaços, oferecendo-me tudo o que ele nunca tinha feito o menos esforço...
Isso tudo para dizer o que? que as pessoas nos dão o que elas sabem ou querem dar.
e que o certo não é tentar mudar ninguém, mas se mandar enquanto é tempo.
kkkk
SETUP: filósofa

besossssssssssssss
Elisa no blog disse…
TEÓRICO,
o livro é muito bom , acho que vc ia gostar.

LICIANE,
quando algo dá errado, devemos ver como um fato isolado e seguir em frente. Tentar vencer um leão de cada vez.

REYEL,
as vezes uma frase num livro pode mudar nossas vidas. Devemos tomar cuidado pois pode mudar para a melhor ou para a pior.

SE...
A autora é uma jornalista premiada que escreve no caderno de ciências do Wall Street Journal. Já trabalhou para o Newsweek tb.

L,
oba, vou lá pegar. Obrigada.

LILIANE,
Fico contente que vc tenha respondido. Agora sei quem é de Tonami. Era só curiosidade. obrigada por me ler todos os dias. Ontem não vi vc.

MARÍLIA,
vc me fez refletir. quando a situação é inevitável, devemos fazer o possível para que ela se torne proveitosa e positiva de alguma maneira. Quanto ao livro, não sei se existe em português, desculpe, não tenho essa informação.
Elisa no blog disse…
DESABAFANDO,
Concordo com vc. Não acho normal ser cara de pau. Mas essas pessoas sabem que as pessoas normais tem dificuldade de barrar, brecar o cara de pau. Por isso eles abusam. Quando sentem o perigo, eles logo se consertam. São escorregadios e perigosos. Estão acima de nós na capacidade de abusar e se esparramar.

FAROFA,
Realmente toda observação rasa e generalizante é perigosa. Mas pode reconfortar, trazer paz num momento de fraqueza, não acha?

MAUJ,
não acredito que vc reparou que tem prefácio do Daniel Goleman. Depois me conte se achou em ebook.

ANGELA,
estou sensitiva. rsrs Na verdade as vezes tenho a intuição muito presente. Antigamente negava isso. Mas hoje em dia procuro aceitar e ver o que acontece.

ANDRÉA,
Muito interessante o que vc escreveu. Nós somos o que pensamos. Acrescentando, acho que nós somos o que lemos, o que comemos, o que escolhemos para a nossa vida. Espero que conserte logo o computador.

BAH,
síndrome do pânico com depressão deve ser terrível. Não sabia que podiam vir juntos. Espero que tenha vencido o medo inicial da volta para casa.

CAROL
muitas vezes nós ficamos paralisados por causa de pequenos fracassos. Devemos ter uma visão macro dos fatos e não micro. Gostei do que escreveu.

Aninha,
Esses sujeitos adoram ser pisados por vc. Deu o fora, volta todo bonzinho. Eita sina! rsrs
Não tentar mudar e sim se mandar. Não mudar, se mandar. Gostei da rima rica! rsrs
Fabiano Mayrink disse…
Acho que todo mundo tem um pouco disso, é dificil controlar a mente, quem dera se eu pudesse controla-la nos meus dias de fraqueza, mais sei q posso tentar ;)

esse livro deve ser interesante ensina otimas liçoes

Postagens mais visitadas deste blog

7. Guêr ou ger, tenda-vivenda da Mongolia

Hoje vou mostrar como se monta uma tenda ou casa mongol. Ela se chama ger (guêr). Construir o ger fazia parte desta nossa viagem.
Na época que eu fui a temperatura estava entre 10 a 15 graus de manhã e a noite. Durante o dia estava entre 20 e 25 graus. Foi agradável e deu para fugir um pouco desse calor infernal que está fazendo no Japão esse ano.
Primeiro coloca-se a porta e estrutura da parede.
Em seguinda monta-se o pilar central dentro do ger. Colocam a base do teto. Olhem que gracinha esse menino no centro da foto.
Não sei se esse garotinho queria ajudar ou brincar, mas lá estava ele escalando a grade.
O esqueleto do ger é coberto com pano e cobertor de lã de camelo.
Cobrem o teto e paredes com tecidos grossos para proteger do frio. O menino ainda está lá.







Cobrem com o tecido branco característico de todos os gers. Meu filho quando pequeno também era assim, queria ajudar em tudo. Aliás, ele ajudou muito para fazer esse ger. E gostou da experiência.
Fiquei refletindo. Nós das cidades quando const…

8. Mongolia: roupas e comida

Hoje vou falar da roupa e comida da Mongólia.
Eu sei que Mongólia tem acento. Mas no título não coloquei de propósito porque assim, podem fazer um hit em inglês e pelo menos poderão ver as fotos. Já com acento acho que não aparecerá nas buscas em inglês.
A roupa que as mulheres estão usando se chama dêr. É longo, quentinho, protege bem do frio.
Com essa roupa as mulheres podem se afastam um pouco do ger (tendas) e vão fazer xixi. Elas se agacham e o dêr cobre tudo. Muito prático. Dá até para andar a cavalo.

A roupa típica dos nômades para homens também se chama dêr. O Dêr dos homens não é estampado como das mulheres. Esses dois homens, o do centro e do lado esquerdo usam dêr cinza com faixas coloridas. O homem da foto abaixo usa dêr azul. Na cabeça usam boné ou chapéu tipo ocidental. Eu acho que chapéu e bonê não combinam com o dêr. Mas o chapéu típico é assim: Imagine a metade de um coco. Em cima do coco, bem no meio fica um chifre comprido com uma bolinha na ponta. É meio esquisito, acho que por i…

Verduras no vapor

Ultimamente tenho usado essa cuscuzeira para cozinhar verduras e legumes. No vapor. Sempre achei que demorava muito para fazer batatas cozidas. Leva todo o tempo de esquentar a água. No vapor vai muito mais rápido. Depois da batata, experimentei cozinhar abóbora como na foto. Deu certo com vagem, espinafre (horensô), batata doce, quiabo, aspargos, etc.
É mais rápido, ecológico e as verduras ficam mais gostosas. Acho que perdem menos nutrientes porque eles não vão embora junto com a água do cozimento. Adoro soluções assim, boas em muitos sentidos.
Comprei essa cuscuzeira em São Paulo. Vc pode encontrar em casas do norte, que são lojas de produtos do nordeste. Lá no nordeste essa panela é muito usada para fazer cuscuz.
No começo eu só usava para fazer cuscuz. Hoje uso também para cozinhar verduras no vapor.