Pular para o conteúdo principal

livro japonês

Hoje vou falar de livros. Os livros japoneses são diferentes dos ocidentais. Para começar, eles começam pelo que seria o fim de um livro em português. Como sou uma pessoa meio desligada, demorei anos para perceber isso. Para mim pareciam a mesma coisa. Só quando alguém me falou que eu percebi.

Poucas coisas me fazem perder a paciência e livro do Japão é uma delas.
Você vai ler o livro e quando vira as páginas, como nada fica colado ou preso, começa cair a capa, o obi, fica tudo fora de lugar. E isso acaba tirando a concentração. Já perguntei para japoneses e todos dizem fica tudo fora do lugar, mas que isso não incomoda de modo algum. Acho que o pessoal já está acostumado.

Observe bem: a coisa branca é o livro em si. A coisa cor-de-laranja é a capa do livro onde vem a ilustração dele. A coisa laranja mais forte se chama obi (o mesmo do obi de quimono); vem com comentários e elogios sobre o livro, enfim é a propaganda do mesmo. A coisa bege é a capa que oferecem quando compramos o livro. Não sei bem para que serve. Imagino que seja para proteger o livro. E também para esconder o título, já que muita gente lê em trens, metrô e supostamente fica com vergonha de revelar o que está lendo. O mercado editorial é muito amplo e por isso a concorrência é muito grande. Então inventam cada título e capa que realmente daria vergonha. O conteúdo mesmo não tem nada demais, acho que é só para chamar atenção mesmo.


Como podem ver é grande o desperdício de papel só para cobrir o livro.
Existem capas feitas de tecido que podem ser reutilizadas. Você acaba de ler um livro, tira a capa de tecido e pode usar em outro livro.
Não sei se teria uso no Brasil, mas fica para constar como informação para vocês que trabalham com tecidos. São capas muito bonitas, com tecido colorido de várias cores.






Comentários

Sonia disse…
Desculpe pelo que penso, apesar que achou dispendioso tantas capas, no Japao acho va'lido pois eles sao muito discretos e andam muito de conducao pu'blica ,nao precisam fazer propagandas do que leem.E mesmo assim ano passado vi um passageiro no trem lendo junto com o vizinho , foi bizarro, cada pagina que o outro virava ele estava c/o celular na mao voltava o olhar no cel.apesar que ele s'o virava os olhos.Como nao sao de muita conversa.
Elisa no blog disse…
Oi Sonia,
Acrescentei umas linhas nessa postagem, se puder por favor, veja logo abaixo da segunda foto.
Me diga se eu entendi direito: um passageiro estava lendo o livro do outro? Pareciam ser conhecidos? Também acho que acontecem coisas diferentes nos trens no Japão.
Elisa
JAPONAISE disse…
Oi Elisa,
Infelizmente,esse hábito não vejo aqui( das capas de tecidos)....eles ainda não tem essa consciencia do reutilizar.
Em vários livros japoneses,podem-se ver as várias opções desse tipo de capas. Acho super interessante já que curto embalagens e tecidos diferentes.
Adorei essa troca de info.
bjs,
JAki
Sonia disse…
Elisa, nao eram conhecidos , simplesmente sentou ao lado e estava lendo junto o livro, foi engraçado pqe.ele estava c/o celular na mão como se fosse ver e-mail ou algo assim....só que o olhar no livro do vizinho e qdo.o outro virava a pagina ele voltava o olhar p/o cel.ele nao mexia a cabeca e sim os olhos.......voltando as capas achei divino e criativo.
Elisa no blog disse…
Oi JAki,
Aqui muita gente tenta reutilizar materiais. Kimonos antigos viram bolsas, vestidos, almofadas, enfeites, etc... é bem interessante. Que bom que vc gostou da informação.
bj, Elisa
Elisa no blog disse…
Sonia,
Acontecem coisas bizarras nos trens. Como isso que vc me contou.
Eu nunca peguei o último trem da JR, o famoso shuuden, vc já pegou?
Já ouvi várias histórias inacreditáveis sobre o que acontece nesse último trem. Trens são espaços interessantes, há muitas histórias para contar.
bj.
Elisa

Postagens mais visitadas deste blog

7. Guêr ou ger, tenda-vivenda da Mongolia

Hoje vou mostrar como se monta uma tenda ou casa mongol. Ela se chama ger (guêr). Construir o ger fazia parte desta nossa viagem.
Na época que eu fui a temperatura estava entre 10 a 15 graus de manhã e a noite. Durante o dia estava entre 20 e 25 graus. Foi agradável e deu para fugir um pouco desse calor infernal que está fazendo no Japão esse ano.
Primeiro coloca-se a porta e estrutura da parede.
Em seguinda monta-se o pilar central dentro do ger. Colocam a base do teto. Olhem que gracinha esse menino no centro da foto.
Não sei se esse garotinho queria ajudar ou brincar, mas lá estava ele escalando a grade.
O esqueleto do ger é coberto com pano e cobertor de lã de camelo.
Cobrem o teto e paredes com tecidos grossos para proteger do frio. O menino ainda está lá.







Cobrem com o tecido branco característico de todos os gers. Meu filho quando pequeno também era assim, queria ajudar em tudo. Aliás, ele ajudou muito para fazer esse ger. E gostou da experiência.
Fiquei refletindo. Nós das cidades quando const…

8. Mongolia: roupas e comida

Hoje vou falar da roupa e comida da Mongólia.
Eu sei que Mongólia tem acento. Mas no título não coloquei de propósito porque assim, podem fazer um hit em inglês e pelo menos poderão ver as fotos. Já com acento acho que não aparecerá nas buscas em inglês.
A roupa que as mulheres estão usando se chama dêr. É longo, quentinho, protege bem do frio.
Com essa roupa as mulheres podem se afastam um pouco do ger (tendas) e vão fazer xixi. Elas se agacham e o dêr cobre tudo. Muito prático. Dá até para andar a cavalo.

A roupa típica dos nômades para homens também se chama dêr. O Dêr dos homens não é estampado como das mulheres. Esses dois homens, o do centro e do lado esquerdo usam dêr cinza com faixas coloridas. O homem da foto abaixo usa dêr azul. Na cabeça usam boné ou chapéu tipo ocidental. Eu acho que chapéu e bonê não combinam com o dêr. Mas o chapéu típico é assim: Imagine a metade de um coco. Em cima do coco, bem no meio fica um chifre comprido com uma bolinha na ponta. É meio esquisito, acho que por i…

Verduras no vapor

Ultimamente tenho usado essa cuscuzeira para cozinhar verduras e legumes. No vapor. Sempre achei que demorava muito para fazer batatas cozidas. Leva todo o tempo de esquentar a água. No vapor vai muito mais rápido. Depois da batata, experimentei cozinhar abóbora como na foto. Deu certo com vagem, espinafre (horensô), batata doce, quiabo, aspargos, etc.
É mais rápido, ecológico e as verduras ficam mais gostosas. Acho que perdem menos nutrientes porque eles não vão embora junto com a água do cozimento. Adoro soluções assim, boas em muitos sentidos.
Comprei essa cuscuzeira em São Paulo. Vc pode encontrar em casas do norte, que são lojas de produtos do nordeste. Lá no nordeste essa panela é muito usada para fazer cuscuz.
No começo eu só usava para fazer cuscuz. Hoje uso também para cozinhar verduras no vapor.