Pular para o conteúdo principal

kimono 2

Não queria falar de sexo neste blog, mas o Sr. Ogro da Silva fez uma pergunta interessante e me sinto no dever de responder.
Ele perguntou o que o cara fala quando a patroa chega em casa com o kimono desarrumado.
Acho que o cara vai ficar muito bravo porque isso é prova cabal de pulada de cerca.



Os japoneses dizem que quando não se veste o kimono direito, fica parecendo que a moça foi violentada e depois largada na rua. Por isso, o kimono deve estar impecável, principalmente na gola.



O kimono é muito fechado da gola até a cintura, mas paradoxalmente é todo aberto embaixo. Já vi num filme o casal transando abrindo só a parte de baixo do kimono. Teoricamente isso não vai desarrumar o kimono todo.



Diz a lenda que as mulheres não usavam calcinha e soutien por baixo do kimono. Isso faz sentido porque essas peças fazem parte do vestuário ocidental, portanto não existiam no Japão de antigamente. Isso deve ter atiçado muito a imaginação do Mr. Ogro.

Mas hoje em dia as mulheres já usam calcinha e soutien por baixo do kimono.

Como podem ver, o kimono tem muita história.

Então queridas, ficaram com vontade de experimentar um kimono?
É uma das roupas mais sensuais que conheço.

Comentários

Lisa Nunes disse…
Elisa querida,
Interessante.. não conhecia esse outro lado do kimono. O meu namorado acha muito sensual essa peça, vai ver é por isso mesmo.
O teu post me deu uma idéia pra colorir e aquecer o nosso fim de semana gelado.. :))
Beijinhos e bom fim de semana pra você

p.s:olha só o que eu descobri nesse Blog:
1º Encontro de Moda e Designer em Tokio
http://recortesdamoda.blogspot.com/2009/07/i-encontro-de-moda-e-design-em-tokyo.html
Amynon disse…
Eita kkkkkkkkkkkkkkk que o negocio ta serio por causa desse kimono kkkkkkkkkk
Uma pergunta , kimono é so feminino não é ?
Um abração :)
Leo Yk disse…
Olá Elisa.
Obrigado pela visita no blog. Meu quarto só esta ficando famoso agora.Fico feliz de estar atraindo mais leitores...eu adoro todo blog que fala aqui do Nihon. È sempre bom passar pra frente as coisas que geralmente só acontecem e só tem aqui né...rs!

E tb pq ajudamos um ao outro a divulgar as coisas desse Japão né.

Eu acabei de voltar de um matsuri hoje.Eu vim pra cá pequeno e estou mais acostumado com os costumes daqui.Eu tenho três yukatás.Uso-os sempre que posso.Aqui,o verão todo jovem usa né...xDD
bjs!
Mônica disse…
Elisa
Não tem nada demais! Voce fala o que perguntam. Só se fosse piada. tem piada que eu nem tento entender, porque não consigo e se pedir explicação, é capaz que vou parar no jornal nacional.
Se kimono fosse fácil de usar eu até arriscaria a comprar um.Mas roupa custosa de colocar e de tirar, não serve para mim. Tem dias que eu saio com a gola toda atrapalhada. Eu preciso ter cuidado para não parecer retardada. E que herdei de minhas tias.A falta de jeito para arrumar.
Com carinho Monica
Suilad Moça ^^

Vi seu commet no Leo, e sou fan dos blogs do japão, pq amo a cultura e as doideiras japonesas hahaha..

Axo que os Kimonos devem ser mto quentes não? Mas tenho curiosidade de provar um pra ver se é confortável...gosto mto daqueles vestidos justos que tem um fendinha, e as blusinhas tb, assim q der vou comprar uma lá na Liberdade...são caras infelzimente =/

Vc mora ai em q cidade? Mora faz tempo?

Bom repara não sou da máfia do leo, falamos pelos cotovelos hahaha

Miquilisssss
Bru

Bom fim de semana ^^ Se puder dê um pulinho no meu blog =]
Monica disse…
Oi Elisa, eu tive um kimono qdo era criança, adorava usar, mas dava uma trabalheira colocá-lo...
as plantinhas vão bem, tentei transplantar as cebolinhas mas nao deu muito certo, acho q ela nao irao pra frente... e andei comprando uns vasos maiores, tb, depois vou postar mais fotos!
bjs,
Monica.
R.Vinicius disse…
Elisa eu devo dizer "obrigado por distribuir cultura", afinal hoje poucos querem fazê-lo. Achei interessante a história que há no costume Japonês, a história que há no kimono. Sobre a pergunta que deixou no Folhas Avulsas – Eu conheço o pintor austríaco, mas desconhecida o fato de Gustav tentar incorporar essa mudança, e se tornar um movimento de Schiele. Obrigado por me contar. Vou com o tempo conhecendo melhor aqui, tudo bem? Ótimo dia. Abraço.
Mônica disse…
Elisa
Então voce me promete? Quando vier no Brasil vamos nos encontrar e voce me ajuda a vestir um quimono ?
Até arrisco em ir a São Paulo só para isto. E quero que escolha um bem bonito para mim.

Mas voce vai demorar muito a dar um passeio pelas nossas terras?
Com carinho Monica
Da Silva disse…
Menina, pode me citar à vontade e me visitar sempre que te der na telha, você é muito bem-vinda.

Além disso, vc respondeu a uma pergunta que eu fiz brincando, mas que era uma grande curiosidade.

bjs e parabéns pelo blog.
Ana disse…
nunca tinha pensado nisso, elas nao usavam roupa íntima. muito bacana! eu usaria um quimono numa boa!
Rê :) disse…
Oi guria, valeu o comentário lá!

Vou repassar teu blog pra esse meu amigo sim!

Bjos ;)
Rê :) disse…
Quanto ao kimono, eu vi aquele filme sobre gueixas, na realidade me fica a dúvida se a gueixa e o símbolo do kimono, já que esse tipo de vestimenta, segundo o filme, só pode ser usado por mulheres de uma classe superior, já que custa muito caro.

E, pelas ruas do japão, se vê muita japonesas utilizando esse tipo de roupa pela rua???

Bjos ;)
Desabafando disse…
muito interesante, não sabia que tinha toda essa história por trás do kimono e que os japoneses o levassem tão a sério! Eu acho muito bonitos, não sei se vestiria!
R.Vinicius disse…
Elisa eu realmente vibrei com a história que você me contou. Não posso ser ingrato, aceite o meu agradecimento. Como me ocorreu retribuir, resolvi lhe contar algo que me surgiu ao chegar aqui. Chego curioso, observo as linhas, as leio, vejo alguns comentários, encontro o seu nome. Elisa. Bonito nome penso comigo mesmo. Eis que me vem na cabeça à melodia do piano, Fur Elise – de Beethoven. E há toda uma história envolvendo essa composição de Beethoven. Retribuo da forma, talvez mais inesperada, contando a ti que tu lembras uma bonita composição dada ao piano e a uma mulher. Abraço.
Aninha Leme disse…
hauhauahuahauahuahauahauhauahau
Elisa, kkkkkkkkkkkkkkkkk
muito comédia!
melhor não, acho que até um espartilho daqueles de 1900 é mais confortável do que esses kimonos! minha nossaaaaa

beijos

Postagens mais visitadas deste blog

7. Guêr ou ger, tenda-vivenda da Mongolia

Hoje vou mostrar como se monta uma tenda ou casa mongol. Ela se chama ger (guêr). Construir o ger fazia parte desta nossa viagem.
Na época que eu fui a temperatura estava entre 10 a 15 graus de manhã e a noite. Durante o dia estava entre 20 e 25 graus. Foi agradável e deu para fugir um pouco desse calor infernal que está fazendo no Japão esse ano.
Primeiro coloca-se a porta e estrutura da parede.
Em seguinda monta-se o pilar central dentro do ger. Colocam a base do teto. Olhem que gracinha esse menino no centro da foto.
Não sei se esse garotinho queria ajudar ou brincar, mas lá estava ele escalando a grade.
O esqueleto do ger é coberto com pano e cobertor de lã de camelo.
Cobrem o teto e paredes com tecidos grossos para proteger do frio. O menino ainda está lá.







Cobrem com o tecido branco característico de todos os gers. Meu filho quando pequeno também era assim, queria ajudar em tudo. Aliás, ele ajudou muito para fazer esse ger. E gostou da experiência.
Fiquei refletindo. Nós das cidades quando const…

8. Mongolia: roupas e comida

Hoje vou falar da roupa e comida da Mongólia.
Eu sei que Mongólia tem acento. Mas no título não coloquei de propósito porque assim, podem fazer um hit em inglês e pelo menos poderão ver as fotos. Já com acento acho que não aparecerá nas buscas em inglês.
A roupa que as mulheres estão usando se chama dêr. É longo, quentinho, protege bem do frio.
Com essa roupa as mulheres podem se afastam um pouco do ger (tendas) e vão fazer xixi. Elas se agacham e o dêr cobre tudo. Muito prático. Dá até para andar a cavalo.

A roupa típica dos nômades para homens também se chama dêr. O Dêr dos homens não é estampado como das mulheres. Esses dois homens, o do centro e do lado esquerdo usam dêr cinza com faixas coloridas. O homem da foto abaixo usa dêr azul. Na cabeça usam boné ou chapéu tipo ocidental. Eu acho que chapéu e bonê não combinam com o dêr. Mas o chapéu típico é assim: Imagine a metade de um coco. Em cima do coco, bem no meio fica um chifre comprido com uma bolinha na ponta. É meio esquisito, acho que por i…

Verduras no vapor

Ultimamente tenho usado essa cuscuzeira para cozinhar verduras e legumes. No vapor. Sempre achei que demorava muito para fazer batatas cozidas. Leva todo o tempo de esquentar a água. No vapor vai muito mais rápido. Depois da batata, experimentei cozinhar abóbora como na foto. Deu certo com vagem, espinafre (horensô), batata doce, quiabo, aspargos, etc.
É mais rápido, ecológico e as verduras ficam mais gostosas. Acho que perdem menos nutrientes porque eles não vão embora junto com a água do cozimento. Adoro soluções assim, boas em muitos sentidos.
Comprei essa cuscuzeira em São Paulo. Vc pode encontrar em casas do norte, que são lojas de produtos do nordeste. Lá no nordeste essa panela é muito usada para fazer cuscuz.
No começo eu só usava para fazer cuscuz. Hoje uso também para cozinhar verduras no vapor.