Pular para o conteúdo principal

Mita Matsuri


Em julho e agosto tem muitos omatsuris no Japão.
Omatsuri eles traduzem como festivais. Existem festivais muito antigos, outros que começaram recentemente.
Daqui para frente todo fim-de-semana tem omatsuri em muitas cidades e muitos bairros.
Nos mais tradicionais há rituais tradicionais. Nos mais recentes tem de tudo.
Esse que vos quero mostrar hoje tinha até escola de samba de brasileiros.
Se chama Mita Matsuri.
Mita é um bairro de Tokyo.
Vejam como está cheio de gente.



Em todos os omatsuris vendem bebidas e comidas típicas em barraquinhas. Diria que essa parte é parecida com quermesse de igreja.


Pensei que fosse cosplay (cossu-purê) mas pelo jeito não era. Acho que é uma fantasia de algum personagem de animê. A menina da foto é desconhecida.

As cervejas do Japão são muito boas e leves.
Eu comi samosa (samôssa), pastel indiano numa barraquinha. Vocês devem ter ouvido falar, é aquela iguaria que o pessoal indiano da novela come. Mas o que mais se encontra é yakissoba, salsicha assada, frango frito, etc...

O ponto alto da festa foi uma apresentação de samba. Vejam as moças devidamente vestidas. Foi muito animado.
Aqui a gente passa a maior parte do ano no frio. Os japoneses não fazem tantas festas em casa como no Brasil. Acho que existem estes festivais desde antigamente para as pessoas saírem e se divertirem.

Bom domingo para você.

Comentários

Oi Elisa...
Tem um selinho para voce no meu blog guloseimas da dezinha
Bjocas
Devanir
Aninha Leme disse…
Hummm
fico triste que só lembrem do Brasil por causa do carnaval e do samba.
Mas tudo bem, né?

beijos
Angela disse…
Olá,
Realmente estamos no inverno, hoje a temperatura está baixa, um friozinhooooooooooo, então a receita ficará para o verão. Assim como a Aninha Leme, fico triste que pensem que o Brasil só tem carnaval, futebol e mulheres nuas mas, tenho esperança que um dia isso mude.
A festa parece ser mto divertida e o povo japonês e brasileiros podem se divertir um pouco.
Obrigada pelo comentário sobre a bailarina.
Bjs
Andrea disse…
Eliza ,que bom que tem esses fetivais por ai .Aqui em Minas em julho em algumas cidades(cidades históricas ) tem festivais de inverno ,mas é mais pra universitários .Como a Angela contou aqui ta um frio ,mas eu amo o inverno daqui de BH ,Porque é um inverno bom ,não é demais .
Meu domingo esta sendo ótimo !!
beijão .
Lisa Nunes disse…
Elisa querida,

adorei esses "omatsuris", deve ser muito legal essa coisa que mostra bem a cultura do local e as demais, deve ser uma mistura interessante.

Gostei de saber do tamanho do copo de cerveja.. hehehe e com calor apetece mais, aqui como faz muito frio, só um vinhozinho pra nos esquentar!

Aí vai a receita da farofa que prometi. Claro que aqui em casa, tem bastante gente. Acho que só pra vocês 3, terá que diminuir bastante a quantidade dos ingredientes!!Espero que fique boa!! bjos e boa semana

FAROFA MISTA (SALGADA)

1kg de farinha de mandioca, preferencialmente, ou de milho
200g de bacon picado e frito
500g de lingüiça calabresa picada em rodelas finas e fritas em gordura
200g de presunto picado
Miúdos de peru (ou frango) cozidos em panela de pressão, temperados e picados (moela, coração, fígado)
1 lata de milho verde (aferventar para amolecer um pouco)
1/2 lata pequena de ervilha
100g de azeitonas verdes ou pretas picadas
150g de manteiga
100g de passas (ou ameixas) picadas
6 ovos mexidos ou fritos
1 lata pequena de palmito picado
50g de damasco picado
2 cebolas picadas em pedaços bem pequenos
2 tomates maduros picados
Temperos verdes (coentro e cebolinha verdes)
Sal a gosto

MODO DE PREPARO:

1. cozinhe os miúdos antes de picá-los
2. Passar rapidamente a farinha na manteiga
3. Fritar o bacon e a lingüiça
4. Fritar ou mexer os ovos na manteiga
5. Após isto, colocar um pouco de gordura numa panela, as cebolas, o tomate, (o bacon e a lingüiça já fritos), os miúdos, e o milho verde, mexendo por cerca de 5 minutos
6. Em uma vasilha grande, colocar a farinha já passada na manteiga, juntando os ingredientes acima, bem como a azeitona, o palmito, e o presunto picados e o tempero verde
Devia ter uma roda de capoeira tb... rsrsrsrs...Bjs
disse…
ai, yakissoba... adoro!!!

Postagens mais visitadas deste blog

7. Guêr ou ger, tenda-vivenda da Mongolia

Hoje vou mostrar como se monta uma tenda ou casa mongol. Ela se chama ger (guêr). Construir o ger fazia parte desta nossa viagem.
Na época que eu fui a temperatura estava entre 10 a 15 graus de manhã e a noite. Durante o dia estava entre 20 e 25 graus. Foi agradável e deu para fugir um pouco desse calor infernal que está fazendo no Japão esse ano.
Primeiro coloca-se a porta e estrutura da parede.
Em seguinda monta-se o pilar central dentro do ger. Colocam a base do teto. Olhem que gracinha esse menino no centro da foto.
Não sei se esse garotinho queria ajudar ou brincar, mas lá estava ele escalando a grade.
O esqueleto do ger é coberto com pano e cobertor de lã de camelo.
Cobrem o teto e paredes com tecidos grossos para proteger do frio. O menino ainda está lá.







Cobrem com o tecido branco característico de todos os gers. Meu filho quando pequeno também era assim, queria ajudar em tudo. Aliás, ele ajudou muito para fazer esse ger. E gostou da experiência.
Fiquei refletindo. Nós das cidades quando const…

8. Mongolia: roupas e comida

Hoje vou falar da roupa e comida da Mongólia.
Eu sei que Mongólia tem acento. Mas no título não coloquei de propósito porque assim, podem fazer um hit em inglês e pelo menos poderão ver as fotos. Já com acento acho que não aparecerá nas buscas em inglês.
A roupa que as mulheres estão usando se chama dêr. É longo, quentinho, protege bem do frio.
Com essa roupa as mulheres podem se afastam um pouco do ger (tendas) e vão fazer xixi. Elas se agacham e o dêr cobre tudo. Muito prático. Dá até para andar a cavalo.

A roupa típica dos nômades para homens também se chama dêr. O Dêr dos homens não é estampado como das mulheres. Esses dois homens, o do centro e do lado esquerdo usam dêr cinza com faixas coloridas. O homem da foto abaixo usa dêr azul. Na cabeça usam boné ou chapéu tipo ocidental. Eu acho que chapéu e bonê não combinam com o dêr. Mas o chapéu típico é assim: Imagine a metade de um coco. Em cima do coco, bem no meio fica um chifre comprido com uma bolinha na ponta. É meio esquisito, acho que por i…

Verduras no vapor

Ultimamente tenho usado essa cuscuzeira para cozinhar verduras e legumes. No vapor. Sempre achei que demorava muito para fazer batatas cozidas. Leva todo o tempo de esquentar a água. No vapor vai muito mais rápido. Depois da batata, experimentei cozinhar abóbora como na foto. Deu certo com vagem, espinafre (horensô), batata doce, quiabo, aspargos, etc.
É mais rápido, ecológico e as verduras ficam mais gostosas. Acho que perdem menos nutrientes porque eles não vão embora junto com a água do cozimento. Adoro soluções assim, boas em muitos sentidos.
Comprei essa cuscuzeira em São Paulo. Vc pode encontrar em casas do norte, que são lojas de produtos do nordeste. Lá no nordeste essa panela é muito usada para fazer cuscuz.
No começo eu só usava para fazer cuscuz. Hoje uso também para cozinhar verduras no vapor.