Pular para o conteúdo principal

Tokyo International Forum






Este é o Tokyo International Forum. Um lugar dedicado às artes em geral.

O teto desse lugar é tão alto que parece dizer que a arte é algo elevado que chega aos céus.


Eu nem gosto muito de arquitetura moderna pós-Le Corbusier.

Gosto mesmo é de prédios, templos muito antigos e ruínas como Stonehenge.
Me realizei quando vi Stonehenge na Inglaterra. Tão simples, tão singelo.


Mas voltando à arquitetura moderna, não gosto tanto, mas acho bonito e funcional.

O Tokyo International Forum é um exemplo puro de arquitetura contemporânea. Deste eu gosto, acho lindo.


Para vos escrever, procurei analisar por que gosto de lá:
Lá tem várias salas de espetáculos.
Tem festival de música clássica.
Tem museu de arte.
Não tem lojinha.
Humberto Eco, um de meus autores preferidos já dizia que é preciso separar arte do comércio.
No meio do prédio plantaram muitas árvores.

Na hora do almoço permitiram a entrada de restaurantes em forma de carro, batizaram de Neo Yatai Murá.

Tem comida da Indonésia, Coreia, Turquia, Japão, França, Itália, México, China. Tudo muito alegre, colorido e delicioso.


Enfim, tem tudo o que gosto: arte, música, comida, natureza, tudo num espaço amplo e moderno.

Loli, comentei sobre seu comentário e deixei nos comentários de ontem sobre Ginza. (isso está redundante, não?) Espero que dê uma olhada. É que tenho respondido aos comentários nos respectivos blogs ou por e-mail.

Comentários

Amynon disse…
Eu geralmente não gosto muito de arquitetura mas confesso que algumas são simplesmente magnificas . Posso dizer a vc da Usina Hidroelétrica de Tucuruí, Querida , aquilo é alto, e ponha alto e gigante eu simplesmente fiquei maravilhado. Quando nosso grupo de do cefet foi ate la fomos debaixo nas turbinas ate em cima de onde vemos os botos se fartando com os peixes. Nunca me esqueço.
Um abraço !
Olavo disse…
Arquitetura não é o meu forte..mas a arquitetura moderna cada vez mais chama minha atenção..
quem sabe com um pouco mais de tempo passe a observar e estudar mais.
Belo blog o seu parabens
Bjs
Mônica disse…
Eu achei muito bacana. Meu irmão engenheiro que gosta de apreciar arquitera. Eu passo batido. mas gostei mesmo do que tem aí dentro.
Com carinho Monica

Já acordei. E vim correndo para ve-la.
Enquanto mamame lê jornal.
Mônica disse…
Elisa
Eu já achei o nome da flor que aparece só a noite, mas estou esperando as fotos chegarem para voce ver.
Com carinho Monica
Voce ainda está ascordada, não ?são 9 nove horas da manha aqui.
mar e ilha disse…
Elisa,
que lugar interessante. Deve ser demais. Quanto ao carro ele não era grande não. Era normalmente um opala que papai comprava dos médicos de Varginha que trocavam de carro todo ano. Papai não comprava carro 0 Km mas para nós era uma festa qdo ele aparecia com o carro novo. Não sei como cabia todos os filhos (6), mas a mamãe e a Tonha naqueles carros. Por isso digo que era o milagre da multiplicação.
Depois a vida dele foi melhorando e ele teve sim carro 0 km. Ele gostava de Belina. E qdo comprava os carros fazia questão de ir na fazenda com ele, pois dizia que era de lá que vinha o dinheiro para adquirir os bens. E nós andávamos para cima e para baixo, apertadinhos e felizes.
Mônica disse…
Elisa
Eu não posso dizer muito, mas a familia de meu pai adotou. Só o papai e minha madrinha tiveram filhos. Os outros tios adotaram.
A de mamae também tem muitos primos adotados.
E agora recentemente meu primo adotou uma criança linda. Um menininho. E a alegria de todos.
Mas espero que estas crianças , quando adultas não tenham nenhum problema. Porque muitos adotados tiveram.
Com carinho Monica
Desabafando disse…
ah, por eu ser arquiteta, adorei as fotos...adoro esse tipo de arquitetura..
mar e ilha disse…
Elisa, lembrei que escrevi um post sobre nossas idas e vindas pela estrada.
Foi publicado no dia 06 de março de 2009 e o título é pelas estradas. Vai lá e dá uma lidinha que vc vai entender como era nosso carro. Beijos
Mônica disse…
Elisa
A flor da lua eu procurei para retribuir aquela maravilha que nasce no Japão.
E uma pena que só abre em dezembro. E tem de ficar de olho se não passa batido.
Com carinho Monica
Elizabete Mattos disse…
Apesar de não ser arquiteta gostei muito
Gabitus disse…
Que bacana!!!

Quero um kimono!! Só que nunca saberia usar!!

Deve ser bacana estar aí, né?

Beijos!~

Gabi
Anônimo disse…
I found this site using [url=http://google.com]google.com[/url] And i want to thank you for your work. You have done really very good site. Great work, great site! Thank you!

Sorry for offtopic

Postagens mais visitadas deste blog

7. Guêr ou ger, tenda-vivenda da Mongolia

Hoje vou mostrar como se monta uma tenda ou casa mongol. Ela se chama ger (guêr). Construir o ger fazia parte desta nossa viagem.
Na época que eu fui a temperatura estava entre 10 a 15 graus de manhã e a noite. Durante o dia estava entre 20 e 25 graus. Foi agradável e deu para fugir um pouco desse calor infernal que está fazendo no Japão esse ano.
Primeiro coloca-se a porta e estrutura da parede.
Em seguinda monta-se o pilar central dentro do ger. Colocam a base do teto. Olhem que gracinha esse menino no centro da foto.
Não sei se esse garotinho queria ajudar ou brincar, mas lá estava ele escalando a grade.
O esqueleto do ger é coberto com pano e cobertor de lã de camelo.
Cobrem o teto e paredes com tecidos grossos para proteger do frio. O menino ainda está lá.







Cobrem com o tecido branco característico de todos os gers. Meu filho quando pequeno também era assim, queria ajudar em tudo. Aliás, ele ajudou muito para fazer esse ger. E gostou da experiência.
Fiquei refletindo. Nós das cidades quando const…

8. Mongolia: roupas e comida

Hoje vou falar da roupa e comida da Mongólia.
Eu sei que Mongólia tem acento. Mas no título não coloquei de propósito porque assim, podem fazer um hit em inglês e pelo menos poderão ver as fotos. Já com acento acho que não aparecerá nas buscas em inglês.
A roupa que as mulheres estão usando se chama dêr. É longo, quentinho, protege bem do frio.
Com essa roupa as mulheres podem se afastam um pouco do ger (tendas) e vão fazer xixi. Elas se agacham e o dêr cobre tudo. Muito prático. Dá até para andar a cavalo.

A roupa típica dos nômades para homens também se chama dêr. O Dêr dos homens não é estampado como das mulheres. Esses dois homens, o do centro e do lado esquerdo usam dêr cinza com faixas coloridas. O homem da foto abaixo usa dêr azul. Na cabeça usam boné ou chapéu tipo ocidental. Eu acho que chapéu e bonê não combinam com o dêr. Mas o chapéu típico é assim: Imagine a metade de um coco. Em cima do coco, bem no meio fica um chifre comprido com uma bolinha na ponta. É meio esquisito, acho que por i…

Verduras no vapor

Ultimamente tenho usado essa cuscuzeira para cozinhar verduras e legumes. No vapor. Sempre achei que demorava muito para fazer batatas cozidas. Leva todo o tempo de esquentar a água. No vapor vai muito mais rápido. Depois da batata, experimentei cozinhar abóbora como na foto. Deu certo com vagem, espinafre (horensô), batata doce, quiabo, aspargos, etc.
É mais rápido, ecológico e as verduras ficam mais gostosas. Acho que perdem menos nutrientes porque eles não vão embora junto com a água do cozimento. Adoro soluções assim, boas em muitos sentidos.
Comprei essa cuscuzeira em São Paulo. Vc pode encontrar em casas do norte, que são lojas de produtos do nordeste. Lá no nordeste essa panela é muito usada para fazer cuscuz.
No começo eu só usava para fazer cuscuz. Hoje uso também para cozinhar verduras no vapor.