Pular para o conteúdo principal

Não existe no Japão



Hoje queria listar coisas que não existem no Japão, ou pelo menos nunca vi.

①Cachorro viralata na rua. Nem nunca vi carrocinha. Aliás, eu pensava que carrocinha era uma lenda, mas vi em São Paulo quando tinha uns 9 anos de idade e fiquei meio traumatizada, lembro até hoje e fico com pena do cachorrinho.
②Feira livre

③Banca de jornal (você há de perguntar onde as pessoas compram jornal. Pois é, a maioria ou assina ou não compra. Mas pode ser encontrado em lojas de conveniência)

Que eu me lembre é só isso por enquanto. Mas deve haver mais coisas. Imagino que os leitores japoneses que leem português não saibam o que seja banca, feira, viralata... mesmo porque esses não existem aqui. Se quiserem eu explico, leitores japoneses.



Sankei-en

Este é o parque que fica bem pertinho aqui de casa. Tem lago, azaleias, ponte vermelha, enfim é muito bonito.


Pintura
Não sei se todos os que estão lendo atualmente já viram, mas tenho uma proposta de ir postando fotos de meu trabalhos ainda inacabados. Aos poucos. Essa pintura, por enquanto está assim. Ainda não sei que de que cor pintarei o resto. Aguardem.


Obrigada pela visita e desejo para vocês um ótimo fim-de-semana (aqui também o hífen foi abolido?). Já sei que não existe mais trema, nem hífen em algumas palavras, mas ainda não sei tudo. Sei que palavras como Coreia e estreia não tem mais acento agudo. Se vcs virem algum erro meu, por favor me avisem pois gostaria de escrever certo. Obrigada.


Comentários

Angela disse…
Ohaiô Elisa,

Querida, não sei como se escreve boa noite ou bom dia, rsrsrs, apenas tento de uma maneira que vc consiga entender o que estou querendo dizer, japonês é uma das línguas mais difíceis de se aprender e vc sabe como...
Qto a receita vc não precisa ficar envergonhada, seu blog é lindo, nos dá oportunidade de conhecer um país maravilhoso através de fotos e costumes, é um blog informativo, turístico, culinário, adorável e com td seu charme e delicadeza.
Obrigada pela visita e por sempre me prestigiar. Ainda vou pintar uma nissei em sua homenagem.
ótimo fim de semana.
Ps: Estou curiosa para ver seu quadro pronto!
Bjs!
Claudia Rumi disse…
Creio que não deva ter boteco,padaria como aqui e seu pão frances,carro a alcool e pixações.Pode ter certeza que tem uma infinidade de coisas principalmente por ser um país de primeiro mundo, tradicionalista e com uma cultura encantadora.Aproveite!! bj
Claudia
Elisa no blog disse…
Oi Angela,
Obrigada pelo que vc falou deste blog. No dia que eu precisar de um texto de propraganda para o meu blog vou usar um trecho do seu elogio.
Fico contente também porque é isso (que vc escreveu) que eu pretendo passar através desse blog.
Quanto ao quadro está indo devagar...
Também passo sempre no seu blog.
beijos,
Elisa
Elisa no blog disse…
Querida Claudia,

Linda a sua postagem sobre Buenos Aires, fiquei encantada.

Obrigada por acrescentar coisas à lista do que não existe no Japão.
Estou pensando em fazer uma lista de coisas que existem no Japão e não existem no Brasil, mas de certa forma estou postando essas coisas pouco a pouco.

É contraditório, mas o japão é muito tradicionalista, mas o povo adora novidades, principalmente as tecnológicas. Eu fiquei um bom tempo intrigada com isso. Me perguntava se o Japão é tradicionalista ou inovador. Estudando um pouco a história do Japão, a gente vê que lá pelo século 7 DC, o povo copiava coisas da China e Coréia. Coisas que eram totalmente inovadoras para a época. Então, pode se dizer que inovar é, e sempre foi uma tradição do Japão. Só que aqui o povo inova e continua com as tradições. Bom, chega de teoria por enquanto.
beijos,
Elisa

Postagens mais visitadas deste blog

7. Guêr ou ger, tenda-vivenda da Mongolia

Hoje vou mostrar como se monta uma tenda ou casa mongol. Ela se chama ger (guêr). Construir o ger fazia parte desta nossa viagem.
Na época que eu fui a temperatura estava entre 10 a 15 graus de manhã e a noite. Durante o dia estava entre 20 e 25 graus. Foi agradável e deu para fugir um pouco desse calor infernal que está fazendo no Japão esse ano.
Primeiro coloca-se a porta e estrutura da parede.
Em seguinda monta-se o pilar central dentro do ger. Colocam a base do teto. Olhem que gracinha esse menino no centro da foto.
Não sei se esse garotinho queria ajudar ou brincar, mas lá estava ele escalando a grade.
O esqueleto do ger é coberto com pano e cobertor de lã de camelo.
Cobrem o teto e paredes com tecidos grossos para proteger do frio. O menino ainda está lá.







Cobrem com o tecido branco característico de todos os gers. Meu filho quando pequeno também era assim, queria ajudar em tudo. Aliás, ele ajudou muito para fazer esse ger. E gostou da experiência.
Fiquei refletindo. Nós das cidades quando const…

8. Mongolia: roupas e comida

Hoje vou falar da roupa e comida da Mongólia.
Eu sei que Mongólia tem acento. Mas no título não coloquei de propósito porque assim, podem fazer um hit em inglês e pelo menos poderão ver as fotos. Já com acento acho que não aparecerá nas buscas em inglês.
A roupa que as mulheres estão usando se chama dêr. É longo, quentinho, protege bem do frio.
Com essa roupa as mulheres podem se afastam um pouco do ger (tendas) e vão fazer xixi. Elas se agacham e o dêr cobre tudo. Muito prático. Dá até para andar a cavalo.

A roupa típica dos nômades para homens também se chama dêr. O Dêr dos homens não é estampado como das mulheres. Esses dois homens, o do centro e do lado esquerdo usam dêr cinza com faixas coloridas. O homem da foto abaixo usa dêr azul. Na cabeça usam boné ou chapéu tipo ocidental. Eu acho que chapéu e bonê não combinam com o dêr. Mas o chapéu típico é assim: Imagine a metade de um coco. Em cima do coco, bem no meio fica um chifre comprido com uma bolinha na ponta. É meio esquisito, acho que por i…

Verduras no vapor

Ultimamente tenho usado essa cuscuzeira para cozinhar verduras e legumes. No vapor. Sempre achei que demorava muito para fazer batatas cozidas. Leva todo o tempo de esquentar a água. No vapor vai muito mais rápido. Depois da batata, experimentei cozinhar abóbora como na foto. Deu certo com vagem, espinafre (horensô), batata doce, quiabo, aspargos, etc.
É mais rápido, ecológico e as verduras ficam mais gostosas. Acho que perdem menos nutrientes porque eles não vão embora junto com a água do cozimento. Adoro soluções assim, boas em muitos sentidos.
Comprei essa cuscuzeira em São Paulo. Vc pode encontrar em casas do norte, que são lojas de produtos do nordeste. Lá no nordeste essa panela é muito usada para fazer cuscuz.
No começo eu só usava para fazer cuscuz. Hoje uso também para cozinhar verduras no vapor.