Pular para o conteúdo principal

Torta de atum



Quando meu filho era pequeno e não comia muitas verduras, eu colocava brócolis, cenoura, espinafre além das que estão logo abaixo na receita. Acho que essa receita é boa até para crianças, porque elas acabam comendo várias verduras mesmo sem perceber.



-Em uma vasilha juntar:

2 abobrinhas (como abobrinhas são caras no Japão, nessa receita usei 8 shiitakes, mas às vezes uso 2 berinjelas). Resumindo: pode usar abobrinha, shiitake ou berinjela.

2 tomates picados
1 cebola média picada
2 colheres de sopa de azeitonas picadas
orégano a gosto
3 colheres de sopa de queijo ralado
1 lata de atum
salsinha picada a gosto
1 colher de sopa de Hondashi

Obs: Hondashi é um caldo (japonês) em pó de peixe, se não tiver, não precisa colocar, mas ele dá um toque a mais.



- Em outra vasilha juntar e misturar:

8 colheres de sopa de farinha de trigo
4 colheres do sopa de maisena
4 ovos inteiros (sem a casca por favor, rsrs)
meia xícara de chá de óleo
1 colher de sopa de fermento Royal
sal a gosto

Obs: misturar delicadamente para não endurecer a massa.

-Juntar a massa e o recheio

-Untar e enfarinhar uma forma de tamanho médio.

Levar ao forno médio (180 graus) durante 40 minutos.

Usei uma forma grande e fiz mais fininho, portanto, se a massa crua ficar baixa, diminuir o tempo no forno para 30 minutos, senão pode cozinhar demais e ficar seco.


Esta é a torta de atum pronta. Ela não é uma torta de liquidificador mas não dá trabalho, mesmo porque não pode bater muito, só um pouquinho.

As tortas de liquidificador que fiz no Japão ficam super borrachentas. Acho que é a farinha daqui. É só bater um pouco além da conta e ela logo vira uma borracha. Mas no ponto certo, a farinha daqui é muito boa, os bolos e tortas ficam bem fofinhos. Enfim, é por isso que faço essa torta.

Se tiverem alguma dúvida, por favor, escrevam.

Quando levo para festinhas ou pic nic é interessante porque essa é uma torta que homens gostam, não sei porque. Se fizerem, deixe a torta quieta, não fale nada e espere pelas reações masculinas. E me conte depois. Beijos!

Comentários

Angela disse…
Olá querida,
Na receita vai maionese ou maizena? pq já vi uma receita parecida que vai maionese mas, não deu pra saber na sua postagem, dê uma olhadinha... (chata eu né?), mas quero provar essa torta, humm, fiquei com água na boca!
ótimo fim de semana,
Kom´baiô!!! Será que vc vai entender ? rsrsrs
Elisa no blog disse…
Oi Angela,
Obrigadíssima pela correção. Por favor me corrija sempre que encontrar algum erro, ficarei muito agradecida. Ainda mais agora com as novas regras ortográficas... A gente está longe do Brasil e fica muito difícil saber o certo. Mas realmente maiosena é ridículo mesmo. Fiquei rindo sozinha, de vergonha...
Kom baiô? é kon-ban-wa(boa noite) com oraiô (bom dia)? Errei, né?
Fiquei curiosa, me conte o certo.

Outro dia vc falou que gosta de yokan e esqueci de comentar. Eu também gosto muito, é bom, né?
Beijos e um ótimo fim de semana para vc também.
beijos,
Elisa

Postagens mais visitadas deste blog

7. Guêr ou ger, tenda-vivenda da Mongolia

Hoje vou mostrar como se monta uma tenda ou casa mongol. Ela se chama ger (guêr). Construir o ger fazia parte desta nossa viagem.
Na época que eu fui a temperatura estava entre 10 a 15 graus de manhã e a noite. Durante o dia estava entre 20 e 25 graus. Foi agradável e deu para fugir um pouco desse calor infernal que está fazendo no Japão esse ano.
Primeiro coloca-se a porta e estrutura da parede.
Em seguinda monta-se o pilar central dentro do ger. Colocam a base do teto. Olhem que gracinha esse menino no centro da foto.
Não sei se esse garotinho queria ajudar ou brincar, mas lá estava ele escalando a grade.
O esqueleto do ger é coberto com pano e cobertor de lã de camelo.
Cobrem o teto e paredes com tecidos grossos para proteger do frio. O menino ainda está lá.







Cobrem com o tecido branco característico de todos os gers. Meu filho quando pequeno também era assim, queria ajudar em tudo. Aliás, ele ajudou muito para fazer esse ger. E gostou da experiência.
Fiquei refletindo. Nós das cidades quando const…

8. Mongolia: roupas e comida

Hoje vou falar da roupa e comida da Mongólia.
Eu sei que Mongólia tem acento. Mas no título não coloquei de propósito porque assim, podem fazer um hit em inglês e pelo menos poderão ver as fotos. Já com acento acho que não aparecerá nas buscas em inglês.
A roupa que as mulheres estão usando se chama dêr. É longo, quentinho, protege bem do frio.
Com essa roupa as mulheres podem se afastam um pouco do ger (tendas) e vão fazer xixi. Elas se agacham e o dêr cobre tudo. Muito prático. Dá até para andar a cavalo.

A roupa típica dos nômades para homens também se chama dêr. O Dêr dos homens não é estampado como das mulheres. Esses dois homens, o do centro e do lado esquerdo usam dêr cinza com faixas coloridas. O homem da foto abaixo usa dêr azul. Na cabeça usam boné ou chapéu tipo ocidental. Eu acho que chapéu e bonê não combinam com o dêr. Mas o chapéu típico é assim: Imagine a metade de um coco. Em cima do coco, bem no meio fica um chifre comprido com uma bolinha na ponta. É meio esquisito, acho que por i…

Verduras no vapor

Ultimamente tenho usado essa cuscuzeira para cozinhar verduras e legumes. No vapor. Sempre achei que demorava muito para fazer batatas cozidas. Leva todo o tempo de esquentar a água. No vapor vai muito mais rápido. Depois da batata, experimentei cozinhar abóbora como na foto. Deu certo com vagem, espinafre (horensô), batata doce, quiabo, aspargos, etc.
É mais rápido, ecológico e as verduras ficam mais gostosas. Acho que perdem menos nutrientes porque eles não vão embora junto com a água do cozimento. Adoro soluções assim, boas em muitos sentidos.
Comprei essa cuscuzeira em São Paulo. Vc pode encontrar em casas do norte, que são lojas de produtos do nordeste. Lá no nordeste essa panela é muito usada para fazer cuscuz.
No começo eu só usava para fazer cuscuz. Hoje uso também para cozinhar verduras no vapor.