Pular para o conteúdo principal

O belo e o interessante

Se vc é observador atento deve ter notado que já viu estas fotos no meu blog. Recebi um e-mail falando que achou interessante esse homem vendendo várias coisas. Levei um susto. Resolvi revelar, essas 3 fotos não são minhas. Foram tiradas pelo meu filho. Quando saimos juntos, ele pede para usar minha câmera.


Essa foto foi no Sankei-en, ele quis tirar em macro e ficou se esticando para encontrar um bom ângulo.

Sempre quis saber se o senso estético, a sensibilidade e capacidade de apreciar coisas belas nasce com a pessoa ou pode ser ensinado. Não encontrei nenhum livro a respeito. Então resolvi experimentar. Desde quando meu filho era muito pequeno, dava toques, comentava o que eu achava bonito. Não ensinei, porque essas coisas não se ensinam. Falava quando algo bonito me emocionava.
Eu não tinha percebido até hoje, mas juntando essas 3 fotos, posso fazer uma análise mais objetiva. Vejo que existe meu olhar nas três. Explicando melhor, quando via uma flor falava que achava bonita. Quando via o céu, as nuvens, a lua, falava que eram belos. No começo ele fazia aquela cara de dúvida. Quanto ao vendedor do China Town, nas nossas viagens, reparamos que tem camelôs, vendedores de rua em muitos países.
Mamães com filhos pequenos, acredito que é possível exercitar o senso estético das crianças. Com filhos grandes também, por que não?
Vocês tem experiência semelhante ou diferente com os filhos?
Qual seria a utilidade de desenvolver o senso estético? Talvez nenhuma. Mas ela pode enriquecer nossas vidas, abrir caminho para um novo olhar para as mesmas coisas. Assim a vida pode se tornar bem mais interessante.
Agora vou tentar uma coisa mais difícil, testar a estética do feio com o meu filho. Vou perguntar se ele acha que pode existir beleza nas coisas feias. E onde poderia estar. Ou será que esse é um assunto difícil ainda para 12 anos de idade?





Comentários

JAki disse…
Elisa,
Sinta-se gratificada!...ele viu seu olhar nessas 3 fotos e as retratou.
Belo ou interessante?.....acho que PERFEITO!!!!!!
bjs,
JAki
Yuka99 disse…
Sim, é possível a criança apreciar a beleza nem sempre evidente. Acho que o caminho está certo!
Elisa no blog disse…
JAki,
Outra vez vc acertou em cheio, até parece que vc me conhece. Me sinto gratificada sim, mas o caminho ainda é longo.
Elisa
Elisa disse…
Yuka,
Será que só crianças mais sensíveis são capazes de apreciar a beleza menos evidente?
Elisa
Fabiano Mayrink disse…
acho lindas estas flores dai, bem cara de oriente mesmo!

Postagens mais visitadas deste blog

7. Guêr ou ger, tenda-vivenda da Mongolia

Hoje vou mostrar como se monta uma tenda ou casa mongol. Ela se chama ger (guêr). Construir o ger fazia parte desta nossa viagem.
Na época que eu fui a temperatura estava entre 10 a 15 graus de manhã e a noite. Durante o dia estava entre 20 e 25 graus. Foi agradável e deu para fugir um pouco desse calor infernal que está fazendo no Japão esse ano.
Primeiro coloca-se a porta e estrutura da parede.
Em seguinda monta-se o pilar central dentro do ger. Colocam a base do teto. Olhem que gracinha esse menino no centro da foto.
Não sei se esse garotinho queria ajudar ou brincar, mas lá estava ele escalando a grade.
O esqueleto do ger é coberto com pano e cobertor de lã de camelo.
Cobrem o teto e paredes com tecidos grossos para proteger do frio. O menino ainda está lá.







Cobrem com o tecido branco característico de todos os gers. Meu filho quando pequeno também era assim, queria ajudar em tudo. Aliás, ele ajudou muito para fazer esse ger. E gostou da experiência.
Fiquei refletindo. Nós das cidades quando const…

8. Mongolia: roupas e comida

Hoje vou falar da roupa e comida da Mongólia.
Eu sei que Mongólia tem acento. Mas no título não coloquei de propósito porque assim, podem fazer um hit em inglês e pelo menos poderão ver as fotos. Já com acento acho que não aparecerá nas buscas em inglês.
A roupa que as mulheres estão usando se chama dêr. É longo, quentinho, protege bem do frio.
Com essa roupa as mulheres podem se afastam um pouco do ger (tendas) e vão fazer xixi. Elas se agacham e o dêr cobre tudo. Muito prático. Dá até para andar a cavalo.

A roupa típica dos nômades para homens também se chama dêr. O Dêr dos homens não é estampado como das mulheres. Esses dois homens, o do centro e do lado esquerdo usam dêr cinza com faixas coloridas. O homem da foto abaixo usa dêr azul. Na cabeça usam boné ou chapéu tipo ocidental. Eu acho que chapéu e bonê não combinam com o dêr. Mas o chapéu típico é assim: Imagine a metade de um coco. Em cima do coco, bem no meio fica um chifre comprido com uma bolinha na ponta. É meio esquisito, acho que por i…

Verduras no vapor

Ultimamente tenho usado essa cuscuzeira para cozinhar verduras e legumes. No vapor. Sempre achei que demorava muito para fazer batatas cozidas. Leva todo o tempo de esquentar a água. No vapor vai muito mais rápido. Depois da batata, experimentei cozinhar abóbora como na foto. Deu certo com vagem, espinafre (horensô), batata doce, quiabo, aspargos, etc.
É mais rápido, ecológico e as verduras ficam mais gostosas. Acho que perdem menos nutrientes porque eles não vão embora junto com a água do cozimento. Adoro soluções assim, boas em muitos sentidos.
Comprei essa cuscuzeira em São Paulo. Vc pode encontrar em casas do norte, que são lojas de produtos do nordeste. Lá no nordeste essa panela é muito usada para fazer cuscuz.
No começo eu só usava para fazer cuscuz. Hoje uso também para cozinhar verduras no vapor.